Angelica Brunatto
Tubarão
 
Um ano é o tempo mínimo previsto para preparação da área pretendida para a construção do condomínio industrial de Tubarão. As empresas só poderão instalar-se após a expedição da licença ambiental e finalização da terraplanagem. 
 
Só a licença deve levar ao menos seis meses, e outros seis são necessários para a preparação do terreno. A área pertencente à Tractebel tem uma dimensão de 90 hectares, 30 deles reservados para a instalação das fábricas. O custo estimado para terraplanar o espaço é de R$ 10 milhões a R$ 15 milhões. 
 
A empresa de energia já garantiu que fará uma concessão do terreno à prefeitura, com duração até 2016. Só depois desta data, o local seria doado à administração municipal.
 
Mas a intenção da Cimolai, uma das maiores produtoras de aço do mundo, é de instalar logo uma fábrica na cidade. Um ultimato já foi dado aos representantes catarinenses responsáveis pela negociação. Por isso, um novo terreno, com dimensões entre 30 e 50 hectares, também chegou a ser procurado.   
 
Os engenheiros da italiana já foram avaliar a nova área. A resposta deverá ser dada à comitiva catarinense na próxima segunda-feira. O evento deverá ocorrer na prefeitura de Tubarão.
 
Mesmo se a resposta for negativa e a Cimolai decidir procurar outro lugar para construir a fábrica, as autoridades continuarão focadas na instalação do condomínio industrial na Cidade Azul. “Agora, estamos focados na empresa italiana, depois vamos pensar nas chinesas”, afirma o vereador Evandro Almeida.
 
Imbituba poderia ser o destino
Uma das opções especuladas, caso Tubarão não seja aceita pelos gestores da Cimolai, é Imbituba. De acordo com o prefeito Beto Martins, haviam negociações com a cidade, mas apenas para a instalação de um Centro de Distribuição. Nenhuma outra conversa evoluiu entre os gestores municipais e administradores da empresa para que uma fábrica seja construída na cidade. 
 
Relembre
Desde o fim de janeiro, uma comitiva catarinense tem realizado conversações com empresas multinacionais. O objetivo é instalar um condomínio industrial em Tubarão. Um protocolo de intenções chegou a ser assinado com duas empresas chinesas e a italiana Cimolai, que chegou a assinar a formalização da vinda, durante a viagem da comitiva à Europa. No início deste mês, os representantes da italiana visitaram Tubarão. A intenção é que o condomínio seja instalado em uma área pertencente à Tractebel. Porém, este terreno (de 90 hectares) precisa de alto investimento em terraplanagem (estimado em R$ 15 milhões), porque é destinado ao depósito de carvão.