Os valores acordados que o Paço Municipal deve repassar à entidade é de R$ 7 mil mensais   -  Foto:Elvis Palma/Divulgação/Notisul
Os valores acordados que o Paço Municipal deve repassar à entidade é de R$ 7 mil mensais - Foto:Elvis Palma/Divulgação/Notisul

Jailson Vieira
Laguna

O atraso de quase seis meses no repasse de verbas municipais tem dificultado e muito a situação da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), no Mar Grosso, em  Laguna. Nos últimos dias, o problema ficou insustentável, alimentos escassos e o montante para o combustível e manutenção para alguns serviços já não havia mais.

Conforme a diretora da instituição da Cidade Juliana, Emeline Ramos Foiser Grüner, o problema só não foi maior por causa das doações realizadas por muitas pessoas. “Ficamos sempre na expectativa, os representantes da prefeitura diziam: ‘vamos pagar hoje ou amanhã’, e o montante não era depositado. Estamos com uma dívida de mais de R$ 2 mil só de combustível”, relata.

O repasse da prefeitura não ocorre desde maio, quando foi acordado um acréscimo de R$ 2 mil. Antes, o Paço repassava para a instituição R$ 5 mil e com o aumento o valor chegou a R$ 7 mil. De acordo com o secretário de finanças, Enio Cardoso, ontem à tarde foram quitadas duas parcelas para a Apae. “Efetuamos o repasse de dois meses e queremos ficar em dia, porém com o atual cenário nacional isso não foi possível. Estamos fazendo o que podemos”, assegura o secretário.

Segundo a diretora, a dívida até ontem chegava a R$ 42 mil. “Recorremos ao Ministério Público e fomos orientados a divulgar o ocorrido para conseguirmos o apoio da população. No próximo dia 30 faremos o nosso tradicional carreteiro para arrecadar os valores para a manutenção que sempre necessitamos. O evento ocorrerá ao meio-dia no Centro Cultural Santo Antônio dos Anjos”, salienta. 

Além da doação realizada pela população, os estudantes de direito da Unisul, por meio do Centro Acadêmico do curso, arrecadarão durante esse mês alimentos e materiais de limpeza para a entidade lagunense. “Quando por omissão, descaso ou falta de atenção, as entidades de grande importância para a sociedade passam por dificuldades, cabe a nós lideranças contribuir”, aponta o presidente do Centro Acadêmico de direito, Dener Vieira.