Capivari de Baixo

Foram arroladas dez testemunhas para esclarecimentos na audiência de instrução e julgamento no Juizado Especial Criminal de Tubarão ontem, no início da tarde. Porém apenas sete foram ouvidas pelo juiz Maurício Fabiano Mortari. Com as oitivas, o rumo na eleição municipal de Capivari de Baixo poderá ser outro, caso o magistrado observe que ocorreu crime no pleito. A decisão poderá ser assinada nos próximos dias, ou ainda no próximo ano.

No dia 24 do mês passado, representantes da Coligação #RenovaCapivari, a qual tinha como postulante ao cargo de prefeito o médico Vicente Corrêa (PSD), impetraram pedido contra o eleito, Nivaldo Sousa (PSB), e seu, vice Aurimar da Silva (PPS), por considerarem que na campanha de seu oponente ocorreram elementos que levam a uma possível corrupção eleitoral, por isso a ação pede a cassação dos registros de candidatura dos vencedores pela maioria nas urnas.

“Na madrugada do último dia 2 de outubro, algumas pessoas, entre estas o filho do prefeito eleito, foram abordadas pela polícia por suspeita de abuso de poder econômico e tentativa de compra de votos. Além disso, ele e mais dois amigos possuíam tickets de gasolina, vales-compras, e um deles uma arma de fogo, sem porte, o que configurou crime”, lembra Vicente. 

O médico diz que o caso, por ventura não envolvesse um parente próximo do gestor, a ação não seria impetrada, porém não há como alegar que ele não sabia ou desconfiasse da atitude do filho. “Confiamos na justiça, agora é aguardar”, resume.

Pescaria Brava: decisão deve dever sair hoje 
A decisão que deveria ser apreciada pelos desembargadores do pleno catarinense na terça-feira da semana passada foi transferida para hoje. Tanto o atual prefeito de Pescaria Brava, Antônio Honorato (PSDB), quanto o vencedor do pleito deste ano, Deyvisonn da Silva (PMDB), estão confiantes. O caso ainda poderá ir parar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília.

O pleito encerrou há quase dois meses, mas em Pescaria Brava a decisão ainda não teve fim. Tudo porque representantes da Coligação ‘Pescaria Brava no Rumo Certo’, no qual tinha como postulante à majoritária o atual prefeito Honorato, o qual tentava a reeleição, entrou com o pedido de novas eleições na cidade. O resultado oficial tinha apontado um voto de diferença entre o primeiro e o segundo colocado, Honorato. O vencedor foi Deyvisonn.

Em primeira instância, o juiz Paulo da Silva Filho, titular da 20ª Zona Eleitoral, indeferiu o pedido, anulou os votos da seção nº 90 – somente para prefeito – na Escola de Educação Básica Honorata Freitas, no bairro Sertão do Siqueiro, o que ampliou a vantagem para 76 a favor de Deyvisonn. Com a derrota na 20ª Zona Eleitoral, Honorato recorreu ao Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC).