Amanda Menger
Tubarão

Os donos de postos de combustíveis de Tubarão e representantes da Associação Empresarial (Acit) se reunirão hoje em Florianópolis para discutir ações no caso dos laudos ambientais falsos. Segunda-feira, o presidente da Acit, Eduardo Nunes, esteve na capital em um encontro com a Fatma, porém, até o momento, nenhuma diretriz foi tomada.

Dos quatro postos interditados pela Fatma, Du Cão, Santo Anjo, Presidente e Osório, três já voltaram a funcionar. Amostras recolhidas entre 29 de maio e 5 de junho foram analisadas pela Faculdade de Blumenau (Furb) constataram a contaminação do solo por diversos produtos químicos, entre eles o benzeno. A interdição foi realizada em uma ação conjunta do Ministério Público, Fatma, Agência Nacional do Petróleo e Polícia Civil.

O MP recebeu uma denúncia de uma pessoa que teria sido enganada por uma empresa. A Polícia Civil instaurou um inquérito e, durante as investigações, constatou 200 laudos supostamente falsos emitidos por uma empresa para postos de combustíveis da região, 22 deles em Tubarão.

Para o proprietário do posto Osório, Alberto Seidler Neto, o Beto, o único que não retomou as atividades,, ele e outros empresários foram vítimas. “A empresa era credenciada pela Fatma, contratamos um serviço e o que recebemos foi prejuízo. Estou parado desde sexta, nem contabilizei ainda o que deixei de vender. Não sei o que vou fazer, se irei processar a empresa”, desabafa Beto.
Segundo o promotor Sandro de Araújo, a Furb ainda não enviou os laudos dos outros 18 postos avaliados em Tubarão. As amostras de água foram colhidas nos poços de monitoramento instalados nos postos.