Carolina Carradore
Tubarão

O convênio entre o governa do estado para a construção da ponte de Congonhas, divisa entre Tubarão e Jaguaruna, deverá ser cancelado. O prefeito de Jaguaruna, Inimar Felisbino Duarte (PMDB), ainda tenta reverter esta situação, mas avisa: “O prazo de validade deveria ter sido prorrogado no fim de 2008. Não foi. Agora o convênio está praticamente perdido”, confirma.

Resultado: a ponte de concreto não será iniciada neste ano, possivelmente nem no próximo. Na verdade ninguém mais arrisca dizer quando isso ocorrerá. Mesmo com poucas chances, Inimar segue essa semana a Florianópolis para tentar convencer o Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) a prorrogar o convênio.

A licitação da ponte de Congonhas era unificada com a de Torneiro, limite entre Jaguaruna e Içara. A obra no Torneiro chegou a iniciar, mas parou pouco tempo depois por problemas no projeto. Em seguida a Sulcatarinense paralisou totalmente o serviço por falta de pagamento.

A situação foi parcialmente resolvida quando os editais para continuidade das obras finalmente foram separados. Há 15 dias, a licitação da ponte do Torneiro foi lançada. “A dívida que tínhamos com a empresa era somente em relação a ponte de Torneiro. O problema de Congonhas ficou por conta da ausência de prorrogação do convênio”, assinala Inimar.

A obra
As atuais pontes de madeiras na divisa de Jaguaruna com Tubarão, via bairro Congonhas, e de Torneiro (entre Jaguaruna e Içara) darão lugar a travessias de concreto. A primeira teria 85 metros e estava orçada em R$ 800 mil – R$ 500 mil repassados pelo governo do estado e o restante, R$ 300 mil, seria dividido entre as duas prefeituras (a de Tubarão já havia repassado R$ 42 mil). Já a segunda obra, terá 75 metros, para os quais serão dispensados R$ 600 mil. Deste total, cada prefeitura repassaria R$ 150 mil e o estado, o restante.