Tatiana Dornelles
Tubarão

Peixe podre, frutas e verduras estragadas, serragem, urina, óleo e restos de animais mortos (tudo misturado) foram jogados em cima dos calouros (alunos da primeira fase) de medicina da Unisul de Tubarão, quarta-feira, em trote realizado pelos veteranos. A cena ocorreu nas proximidades da Unisul, na rua Vigário José Vogel, em um terreno baldio, por volta das 17h40min. Entre as brincadeiras, os calouros tiveram que lamber absorvente com catchup e ‘virar’ boliche humano. Um acadêmico entrou em coma alcoólico.

O zelador do prédio ao lado da área usada para o trote, Carlos Rodrigues, conta que a ‘bagunça’ foi temerosa. Participaram cerca de 100 pessoas, entre calouros e veteranos. “Fiquei com bastante medo. Deram bebida alcoólica para os estudantes, colocaram uma lona e fizeram boliche humano e ainda jogaram restos de animais mortos neles. Um rapaz saiu bêbado, caiu e machucou-se”, relata Carlos.

Segundo ele, a rua inteira ficou suja e, ontem, o cheiro ainda era insuportável. “O síndico do prédio falou hoje (ontem) com a prefeitura, a vigilância sanitária e a Unisul para dar um jeito no terreno, que ficou imundo. Além disso, as moscas e o odor incomodaram os vizinhos, que reclamaram durante todo o dia”, relata o zelador.

Uma viatura da Polícia Militar chegou a ir até o local, entretanto, segundo Carlos, o reforço só chegou no momento em que o trote havia terminado. “Foi horrível. Deixaram apodrecer animais e jogaram em cima dos alunos. Quando entrei na faculdade, de letras, o trote era que cada estudante declamasse um poema diferente”, compara Carlos.