Em Imbituba, o Dnit ainda não definiu quando será instalada a iluminação nos postes dos viadutos.
Em Imbituba, o Dnit ainda não definiu quando será instalada a iluminação nos postes dos viadutos.

Tubarão

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) e os gestores dos municípios cortados pela BR-101 ainda não chegaram a uma denominador comum quanto a quem vai pagar a conta da iluminação pública nos viadutos da rodovia.
O Dnit quer firmar um convênio com cada cidade ainda neste ano, mas os prefeitos da região ainda resistem em encampar mais esta despesa. Só de Garopaba a Sangão, são 14 viadutos que precisam de iluminação.

Em Imbituba, administradores da prefeitura e vereadores reuniram-se com empresários que possuem comércio às margens da rodovia. O prefeito Beto Martins (PSDB) quer parceiros para assumir a dívida. “Só vou bancar 20% dos gastos. Não temos de onde tirar recursos e não vou pagar, sozinho, uma conta que é do governo federal”, antecipa.

Segundo ele, a estimativa é de uma despesa mensal de R$ 14 mil com a energia elétrica dos nove viadutos instalados no trecho de Imbituba. Em Sangão, o prefeito Antônio Mauro (PSDB) pretende marcar uma reunião na próxima semana com o presidente da Amurel, Celso Heidemann (PP), para discutir o assunto. “É mais um pepino trazido pelo governo federal para os municípios”, responde, chateado.

Sem problemas em Laguna

Laguna é a única cidade a não impor condições quanto a arcar com o pagamento da energia elétrica dos viadutos da BR-101. A manutenção da iluminação pública dos dois trevos que cortam a cidade já é paga pela prefeitura. “Vamos ser beneficiados com pelo menos R$ 20 milhões em impostos. Então não vejo dificuldade em pagar esta conta”, ressalta o prefeito Célio Antônio (PT).

Em Capivari de Baixo, o gestor municipal Luiz Carlos Brunel Alves (PMDB) prefere buscar parceiros para capitanear mais esse serviço. Por enquanto, ele não recebeu nenhum comunicado oficial. “Se for nosso dever, não vamos deixar de pagar, mas precisamos de apoiadores”, avisa.

Obras ainda sem prazo para voltar

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) tenta, de todas as formas, uma negociação com ao consórcio Blokos/Araguaia/Emparsanco, responsável pelas obras de duplicação do lote 25 da BR-101, entre Laguna e Capivari de Baixo.

Não há previsão de quando as atividades serão retomadas. A empresa suspendeu as obras esta semana sob a argumentação de problemas financeiros. Caso os trabalhos não sejam retomados até a próxima terça-feira, o Dnit estudará sanções ao consórcio.