Angelica Brunatto
Tubarão

O terreno sugerido pela prefeitura de Tubarão, entre os bairros Monte Castelo, Fábio Silva e Cruzeiro, para abrigar a empresa italiana Cimolai, está oficialmente descartado. Mas a instalação da fábrica na cidade ainda é uma incógnita. Era esperado que a diretoria da Cimolai desse uma resposta definitiva ontem, em uma reunião entre representantes da Cimolai e da cidade.

Ao invés disso, um novo prazo foi fixado: a próxima semana. Neste tempo, a prefeitura precisa apresentar um plano de ação para a recuperação da área de depósito de cinzas da Tractebel Energia, às margens da BR-101, na divisa com Capivari de Baixo.

E é preciso baixar a cabeça e trabalhar: o documento precisa ser apresentado aos representantes da italiana até a próxima terça-feira. Este plano consiste em uma cronograma datado do que será feito no terreno.
“Este documento que pode reverter a atual situação”, confirma afirma o vereador Evandro Almeida (PMDB). O espaço é o único que Tubarão dispõe para receber a fábrica italiana. Mas, mesmo com a intenção dos representantes municipais em agilizar os processos, levará, no mínimo, um ano para que o local esteja em condições de abrigar as empresas que irão compor o condomínio industrial.

Só para a expedição da licença ambiental é previsto seis meses. São outros seis meses à execução da terraplanagem. Além disso, os valores são altos. Só para terraplanar o espaço, de 90 hectares, serão necessários algo em torno de R$ 10 milhões a R$ 15 milhões.

Relembre

Desde o fim de janeiro, uma comitiva catarinense tem realizado conversações com empresas multinacionais. O objetivo é instalar um condomínio industrial em Tubarão. Um protocolo de intenções foi assinado com duas empresas chinesas e a italiana Cimolai, que chegou a assinar a formalização da vinda, durante a viagem da comitiva à Europa. No início do mês passado, os representantes da italiana visitaram Tubarão. A intenção é que o condomínio seja instalado em uma área pertencente à Tractebel Energia, às margens da BR-101. Com a demora na definição do terreno, especula-se que a Cimolai poderá instalar-se em Imbituba.