Zahyra Mattar
Tubarão

Após uma semana de chuva e vento constantes, enfim o sol deverá brilhar hoje. Em Santa Catarina, pelo menos nove municípios registraram prejuízos. Nas estradas, houve queda de barreiras e a BR-101, ao norte, chegou a ficar interditada ontem. O nível dos rios subiu e muitas cidades do estado tiveram ruas alagadas e, em alguns casos, deslizamento de terras em encostas (confira mais no quadro abaixo).
Em Tubarão, nenhuma ocorrência grave foi registrada, além de alagamentos em diversas ruas. O nível do Rio Tubarão chegou a subir, mas ontem, aos poucos, começou a dar sinais de normalização. O mais “grave” foi a queda de uma árvore na avenida José Acácio Moreira, no bairro Dehon, em Tubarão.

Com o solo encharcado e os ventos fortes, a planta não resistiu e caiu em cima de um carro que estava estacionado em frente à casa noturna Marawê. Ninguém se feriu. No interior, há várias ruas com problemas devido ao excesso de chuva.
O Notisul fez um alerta a respeito de uma possível queda de árvores na edição da última terça-feira. Hoje, nas beiras-rio, existem cerca de 180 árvores em situação de risco e que precisam ser removidas com urgência. O corte já está autorizado pela Fatma. Porém, a prefeitura não dispõe de um aval da Secretaria de Patrimônio da União (SPU). A beira-rio é uma área de preservação ambiental permanente e nada ali pode ser tocado sem conhecimento e autorização de órgãos competentes.

Recuperação de ruas começa hoje
Durante o fim de semana, quando o tempo começou a dar os primeiros sinais de melhoras, equipes das secretarias de desenvolvimento urbano, rural e serviços públicos da prefeitura de Tubarão iniciaram um levantamento para preparar ações a fim de minimizar e reparar os estragos. Ontem, nova reunião ocorreu para definir um pré-cronograma de serviço.

Conforme o secretário da pasta, Anselmo de Bona, hoje pela manhã, nos pontos onde houver possibilidade, os trabalhos de recuperação das estradas serão iniciados. “As ruas de terra estão ruins em vários pontos. No sábado, fomos em vários pontos para já fazer o levantamento de quanto material vamos precisar. Nos locais onde é asfalta a frio, faremos uma operação tapa-buracos”, explica Anselmo.

Nos locais mais baixos da cidade – situação de vários bairros do interior -, a população tem que ter paciência, pois os trabalhos deverão demorar alguns dias para começar. “Precisamos esperar a terra secar um pouco mais para poder patrolar”, rechaça Anselmo. As valas e os bueiros também passarão por uma “revisão” durante a semana. A expectativa da prefeitura é que o trabalho seja concluído até a próxima semana. Mas isso se não chover mais, caso contrário, o cronograma será refeito.

Semana terá calor e volta da chuva no estado
A situação das áreas mais atingidas pela chuva constante dos últimos dias pode ficar crítica. Apesar de a semana começar com ar quente e seco e com queda na nebulosidade, a chuva se intensificará no decorrer dos dias seguintes.
Hoje, a entrada do ar seco pelas regiões oeste, serrana e sul eleva as temperaturas, que podem chegar aos 32° C no litoral.

O vento leste traz umidade do mar e provoca a formação de nuvens. O sol deve aparecer em alguns momentos do dia.
A partir desta quarta-feira, a instabilidade aumenta no estado, com risco de temporais em todas as regiões. No dia seguinte, a chuva aumenta. O tempo deverá permanecer assim até o fim de semana. Apesar da semana chuvosa, nenhuma ocorrência foi registrada na agricultura, como perda de lavoura. Mas, com o solo já saturado e a previsão de volta da chuva já na quarta-feira, é possível que haja problemas no decorrer da semana.

Conforme a estação meteorológica do setor de clima e previsão do tempo da Epagri/Ciram, somente na região de Laguna, choveu, em 24 horas (entre sábado e domingo) 17,8 milímetros. O volume de água é considerado pelos técnicos muito alta para a época do ano. Em São Francisco do Sul, na região norte catarinense – a mais afetada do estado -, o volume chegou a expressivos 75,5 milímetros.

Os estragos no estado
Desde terça-feira, quando começou a chover forte em todas as regiões de Santa Catarina, houve deslizamentos e alagamentos na Capital, Biguaçu, Rio do Sul, Blumenau, Trombudo Central, Itapoá, Rio do Cedro, São Bento do Sul, Canoinhas, Caçador, Jaraguá do Sul, Monte Castelo, Caibi, Celso Ramos, Maravilha, São Miguel do Oeste e Araranguá.

Também na terça-feira, o adolescente Gustavo Felipe Drachinski, 12 anos, morreu depois que a parede de um ginásio de esportes foi derrubada pelo vento em Canoinhas, planalto norte catarinense. Outras quatro crianças ficaram feridas.

No sábado, os municípios que registraram maiores prejuízos com a chuva foram Rio do Cedro e Itapoá. O primeiro, no Vale do Itajaí, decretou situação de emergência depois de pelo menos 60 deslizamentos em pontos diferentes da cidade serem registrados. Cerca de 150 quilômetros em estradas foram danificados, em 15 bairros. Já em Itapoá, no litoral norte, o rio Saí-Mirim transbordou. Uma família foi desabrigada.

Em Jaraguá do Sul, no norte, foram contabilizados 15 destelhamentos de residências, quedas de árvores e um deslizamento de terra, de acordo com informações repassadas pela prefeitura municipal.

Pelo menos seis pessoas ficaram desabrigadas em Rio do Sul, no Vale do Itajaí, onde duas residências sofreram danos devido a deslizamentos. Em Caçador, no meio-oeste, foram registrados destelhamentos e quedas de árvores. Quatro casas ficaram totalmente destelhadas.

Nas estradas, também houve vários problemas. As BRs 101, em Penha, e 116, em Corupá, também no norte do estado, ficaram bloqueadas por quedas de barreira durante o fim de semana. Na BR-101, o tráfego foi liberado na tarde de ontem. Até as 21 horas, havia filas no sentido sul-norte da rodovia. Na BR-280, no norte do estado, também houve queda de barreira. Até as 22 horas de ontem, a estrada ainda não estava liberada.