Antes da partida de futebol, as crianças deram um abraço simbólico na Prainha. Foto: ONG Rasgamar/Divulgação/Notisul
Antes da partida de futebol, as crianças deram um abraço simbólico na Prainha. Foto: ONG Rasgamar/Divulgação/Notisul

Laguna

O domingo de sol serviu para uma ação diferente no Farol de Santa Marta, em Laguna. Preocupadas com ‘quintal de casa’, as crianças da comunidade reuniram-se em uma ação que uniu a defesa do meio ambiente e o esporte.
O ‘2º Campeonato Infantil – Chega de Esgoto’, teve o intuito de cobrar por medidas que visem resolver o problema na pequena vila de pescadores. Dezenas de pessoas participaram da manifestação pacífica.

A partir de agora, o protesto vai ser anual”, antecipa o presidente da ONG Rasgamar, João Batista Andrade. A entidade é uma das organizadoras do manifesto. Esta não é a primeira vez que a comunidade do Farol une-se para pedir uma solução adequada ao esgoto, que desemboca na Prainha.

Atualmente, são sete focos em uma extensão que não chega a 300 metros. Além de tornar a água inadequada para o banho, o problema também já reflete no turismo. A atividade gera renda extra para cerca de 200 famílias da localidade.
“A situação está cada vez pior e ameaça a saúde das pessoas, especialmente das crianças que residem na vila e fazem do local seu espaço de lazer”, alerta Batista.

Um documento assinado pela Associação de Pescadores do Cabo de Santa Marta Grande (Apafa) e pela Rasgamar, foi enviado à sede da Casan, em Florianópolis, na semana passada.
É pedido que a estatal realize uma reunião na comunidade e comece a discutir a canalização e o tratamento dos córregos. Até o momento a empresa não se manifestou.