No trecho, é feita a limpeza e os bueiros.
No trecho, é feita a limpeza e os bueiros.

Karen Novochadlo
Orleans

Com as obras de infraestrutura que são realizadas na região, o futuro promete ser próspero, principalmente no segmento do turismo. A rota do projeto Serramar unirá a neve e o frio do planalto serrano, as águas termais e as belezas do litoral sul catarinense.
Mas, para que isso seja concretizado, uma das etapas necessárias é a pavimentação da SC-4382, entre Pedras Grandes e Orleans. O trecho já licitado e a ordem de serviço assinada. A pavimentação, com as obras de terraplenagem e drenagem, deve iniciar em janeiro do próximo ano.

A informação é do responsável pela obra, o engenheiro André Peruchi, da Castellar, formam um consórcio com a Técnica Viária. Ambas são de Curitiba (PR). De acordo com André, no fim do próximo mês serão feitas a topografia e a medição da obra. E no início de dezembro será aberto o escritório da empresa, cuja localização ainda não foi definida.
As obras de pavimentação iniciarão em vários pontos. “Queremos terminar tudo em um ano”, prevê André.
O consórcio tem 720 dias para finalizar os trabalhos, a contar a partir da entrega da ordem de serviço, assinada no dia 28 de setembro. A pavimentação custará R$ 19.416.232,50, preço apresentado pelo consórcio vencedor.

O que falta?
Para implantar a Serramar, ainda é necessário investimento em pavimentação de outro trecho: a rodovia municipal Aggeu Medeiros, em Tubarão. São 11,7 quilômetros entre a avenida Marcolino Martins Cabral (proximidades da Apae, no bairro Passagem) até a divisa com Laguna, às margens do Rio Tubarão. A pavimentação é orçada em R$ 15,8 milhões. A finalização do circuito Serramar é a ligação entre Tubarão e Laguna, pela SC-100, cujo investimento será de quase R$ 24 milhões.

Trechos que integram o projeto Serramar
• SC-438 (43km): São Joaquim a Bom Jardim da Serra; Lauro Müller a Orleans.
• SC-432 (16,5 km): Orleans a Pedras Grandes.
• SC-440 (24 km): Pedras Grandes a Tubarão.
• Vias municipais (1,5 km): Ligação da BR-101 à rodovia municipal Aggeu Medeiros.
• Rodovia municipal Aggeu Medeiros (25 km): Tubarão à Interpraias (SC-100).

SC-100: obras não param no verão

As obras da SC-100, a futura Interpraias, entre Laguna e o Camacho, em Jaguaruna, não irão parar durante a temporada de verão. De acordo com o secretário de desenvolvimento regional em Laguna, Chistiano Lopes, os trabalhos serão feitos de forma que um lado da pista permaneça livre para a circulação de veículos.
As obras recomeçaram na semana passada, com a execução de bueiros e a limpeza. A falta de algumas licenças ambientais havia provocado a interrupção dos trabalhos. Essa parte da obra é executada pela Construtora Setep, de Criciúma, e compreende 15,540 quilômetros. O valor do trabalho ficou em R$ 20.929.047,40.

Na próxima semana, será realizada uma reunião entre as empresas responsáveis pelas obras, a comissão de moradores e a secretaria de desenvolvimento econômico de Laguna. A Celesc e a Casan também participarão do encontro. Todos os encanamentos terão que ser refeitos, para que não fiquem embaixo da pavimentação.
A A. Mendes, de Gravatal, terá a missão de pavimentar, com paralelepípedos, os 2,280 quilômetros de acesso ao Farol de Santa Marta. O valor licitado foi de R$ 2.770.115,66. Ainda não ficou definido quando começará esta parte. Talvez fique para o próximo ano, para que não atrapalhe o fluxo de veículos.

Vocação para o turismo regional

A pavimentação de importantes estradas e a construção do Aeroporto Regional Sul, em Jaguaruna, alavancarão o turismo na região. A serra, o litoral e os locais de peregrinação são próximos. Mas, para que isso de fato ocorra, é necessário o investimento dos municípios na qualificação da mão-de-obra.

“Hoje, o custo-benefício é alto na região. Os serviços precisam ser melhorados para que melhore a hospitalidade”, aponta a coordenadora do curso de tecnólogo de turismo e hospitalidade da Unisul, Valdirene Campos, a Leninha. A coordenadora acrescenta que o turista precisa sentir que está realizando um sonho ao visitar a região e o atendimento deve ser melhor do que ele recebe na própria casa.

Os municípios têm que pensar no turismo regional, que é a verdadeira vocação. “Precisamos de ações integradas para aproveitarmos o potencial. Uma distância de 80 quilômetros entre as cidades é pouco”, aponta Leninha. A região de Vargem dos Cedros, por exemplo, recebe dois mil visitantes por mês aos fins de semana.