A nova ponte tem valor de contrato de R$ 597.190.345,20. Um deságio de 1,4% (índice arredondado) em relação ao valor máximo proposto na licitação: R$ 605.452.584,97.
A nova ponte tem valor de contrato de R$ 597.190.345,20. Um deságio de 1,4% (índice arredondado) em relação ao valor máximo proposto na licitação: R$ 605.452.584,97.

Zahyra Mattar
Tubarão

O começo efetivo das obras de construção da nova ponte para a transposição do Canal de Laranjeiras, na comunidade de Cabeçuda, em Laguna, está longe de começar. O mais provável é que isso ocorra somente em 2013. Na melhor projeção: no fim do próximo ano.

Para começar a obra, é preciso, antes levantar o canteiro de obras do consórcio Camargo Corrêa/M.Martins/Construbase. O custo é de pelo menos R$ 50 milhões e o tempo para isso de, no mínimo, seis meses.
Depois, é necessário dragar um canal de 2,5 quilômetros na Lagoa de Santo Antônio dos Anjos, entre as comunidades de Bananal e Mato Alto, para as balsas poderem acessar o ponto da obra da ponte. Serão mais alguns meses de trabalho para remover 450 mil metros cúbidos de areia.

Para fazer tudo isso, são necessárias as licenças ambientais. As da ponte estão a cargo do Ibama. As da dragagem são de responsabilidade da gerência regional da Fatma em Tubarão. O canteiro de obras é função para a Fundação do Municipal do Meio Ambiente de Laguna.

Sem licença, a ordem de serviço segue suspensa. Contudo, mesmo que as licenças estivessem em mãos, não há recursos suficientes empenhados, o que reforça a teoria de que obra na ponte mesmo: só em 2013. Hoje, no orçamento da União, há R$ 6 milhões empenhados para a obra.

É necessário R$ 50 milhões (valor do canteiro de obras). Em mais uma tentativa de intervir a favor da população, o prefeito de Laguna, Célio Antônio (PT) foi a Brasília, ontem, onde teve uma audiência com a ministra da secretaria de relações institucionais Ideli Salvatti.
A ministra assumiu o compromisso de agilizar as questões ambientais junto ao Ibama e também a verificar liberação de R$ 45 milhões para a garantia do início da obra até a abertura do orçamento de 2013.

Tribunal de Contas da União
Além das questões ambientais e da falta de dinheiro para começar o empreendimento, o consórcio Carmago Corrêa/M.Martins/Construbase tem uma pendência junto ao Tribunal de Contas da União (TCU). Trata-se de uma planilha referente à mão-de-obra que precisa ser ajustada.

Rodovia será fechada amanhã

A desmobilização de 40 pessoas que atuavam na preparação da estrutura do consórcio Carmago Corrêa/M.Martins/Construbase, em Laguna, gerou uma certa insegurança na população. Não se tratam de demissões, mas sim remanejamento para outras obras no país.
O consórcio instalou um escritório e mantém uma equipe em Laguna para adiantar o que é possível, como a topografia da lagoa. Tanto no ponto da obra como no caminho a ser aberto para a passagem das balsas com os equipamentos e trabalhadores.

Este conjunto de fatos levou a câmara de vereadores a marcar um protesto para amanhã. Os vereadores fecharão a rodovia nas proximidades da ponte em Cabeçuda, por 20 minutos. Anteriormente, fariam isso por duas horas, mas a Polícia Rodoviária Federal ameaçou a pedir uma liminar para barrar a manifestação.

Ainda que o fechamento da rodovia será por um tempo menor, os manifestantes continuarão às margens da rodovia das 14 às 16 horas. Viaturas das Polícias Civil e Militar e do Corpo de Bombeiros foram destacadas para acompanhar a ação.
“Depois, vamos formar uma comissão e costurar uma audiência com o Ministério dos Transportes para este ano ainda. O governo federal nos deve explicações. Queremos a obra em andamento”, branda o presidente do legislativo, Everaldo dos Santos (PMDB).