Laguna

Demorou, mas o importante é que agora a coisa anda na SC-100, a futura Interpraias, em Laguna. As duas empresas vencedoras da licitação para executar as obras de pavimentação da rodovia já estão com as devidas ordens de serviço na ‘mão’ para iniciarem os trabalhos.

Conforme o Notisul antecipou no mês passado, as obras iniciarão somente em janeiro do próximo ano. A novidade agora é que os trabalham começarão a partir da balsa, em Laguna, como deseja a comunidade.

Nesta sexta-feira, quando assinou as ordens de serviço, o governador Leonel Pavan (PSDB) também autorizou o empréstimo de máquinas do Departamento estadual de Infraestrutura (Deinfra) para o município de Laguna. "Depois que o asfalto passar por aqui, não haverá mais este problema. O que é isso?", surpreendeu-se Pavan, ao perguntar dos buracos na estrada.

O governador ressaltou também o fato de que a obra possibilitará um desejo antigo da região e do estado: a promoção efetiva do turismo integrado. "Não somente este setor, mas a atividade pesqueira, uma vocação de Laguna e Jaguaruna, terão maior alicerce para poderem crescer", valorizou Pavan.

A Interpraias
A SC-100 é um dos trechos integrantes de um projeto muito antigo do governo do estado: a efetivação da chamada rodovia Interpraias. O projeto visa interligar o litoral sul catarinense por uma rodovia turística, entre Laguna e Passo de Torres, na divisa com o Rio Grande do Sul.
O projeto foi dividido em cinco lotes. O primeiro a ficar pronto foi o trecho 4: a estrada do Camacho, cuja inauguração ocorreu em outubro do ano passado. O segundo será a parte referente a Laguna (trecho 5). Os três primeiros lotes não têm previsão de quando serão feitos.

As empresas
A parte em asfalto compreende o trecho de 15,540 quilômetros entre a balsa, em Laguna, e o Camacho, em Jaguaruna. A obra será executada pela Construtora Setep, de Criciúma. O valor do trabalho ficou em R$ 20.929.047,40.
Já a A. Mendes, de Gravatal, terá a missão de pavimentar, com paralelepípedos, os 2,280 quilômetros de acesso ao Farol de Santa Marta. O valor licitado foi de R$ 2.770.115,66.
O Plano Ambiental Básico e a supervisão dos trabalhos serão feitos pela Prosul, de Palhoça. A empresa venceu as duas licitações. A primeira custará R$ 4.263.961,85 e a segunda receberá investimento de R$ 2.492.353,44. A previsão de término dos serviços em ambos os lotes é de um ano.