Zahyra Mattar
Tubarão

Mais um banho de água fria na saga pela busca do terreno para a construção do novo prédio do Presídio Regional de Tubarão. O proprietário dos 7,1 hectares de terra, escolhidos para a obra no dia 22 do mês passado, “deu pra trás”, como se diz na gíria. A proposta financeira era analisada pela secretaria de administração desde então. O processo foi interrompido assim que o dono desistiu da venda devido a pressões familiares. O terreno fica entre os bairros Bom Pastor e São Raimundo, próximo ao Centro de Internamento Provisório (CIP) de Tubarão.

Ainda que o episódio tenha ocorrido há uma semana, as informações foram confirmadas ao Notisul somente ontem por funcionários da secretaria de segurança pública (SSP) do estado. Até então, a equipe destacada pelo secretário Ronaldo Benedet ainda tentava reverter o quadro. Não foram informados os exatos motivos que tenham feito o proprietário retirar a proposta. Sabe-se que não foi questão financeira, já que o estado concordou com o valor pedido: R$ 400 mil.

De qualquer forma, o projeto de adequação do novo prédio continua a ser feito, já que o modelo arquitetônico é o mesmo da unidade construída em Rio do Sul, no Vale do Itajaí, mas com número de celas maior e outros modificações necessárias. O Presídio Regional terá 208 vagas e está orçado em R$ 3,5 milhões.

Através de sua assessoria, Benedet não somente reafirmou a necessidade da obra como reforçou que Tubarão, quanto à construção do novo prédio para o presídio, continua a ser prioridade na pasta. Mesmo sem um local definido, o secretário também garante que a quantia de R$ 1 milhão prevista no orçamento deste ano, destinada para iniciar a construção, continua intocável à espera de uma solução para a questão. Uma equipe da SSP já trabalha em cima de outras possibilidades de áreas disponíveis em Tubarão, mas nada foi divulgado ou confirmado.