Carolina Carradore
Tubarão

A polêmica quanto à retirada da pauta de votação da sessão extraordinária da câmara de vereadores do projeto de financiamento que visa a construção de uma nova sede da prefeitura de Tubarão ainda gera uma calorosa discussão. Até mesmo os vereadores da base aliada do prefeito Manoel Bertoncini (PSDB) exige explicações de detalhes do financiamento de R$ 9 milhões junto ao BID e o BNDES. A votação ficou marcada para a próxima quinta-feira.

A bancada do PMDB insiste em certos esclarecimentos que ficaram marcados para a próxima terça-feira, em reunião realizada com os secretários da administração municipal. “Se essa reunião não ocorrer, não vamos aprovar. Se a base consentir, pois são a maioria, vai dar explicações ao povo depois”, afirma o vereador Geraldo Pereira (PMDB), o Jarrão.

No dia da votação, segundo Jarrão, ninguém sabia de detalhes, nem mesmo a líder do governo, Albertina Terezinha Carvalho (PSDB), a Beth Xuxa, soube responder às perguntas dos vereadores. “Não sabemos da forma de financiamento, de como vai ser esse projeto e nem mesmo o impacto da redução de aluguéis com os prédios que ocupam as secretarias souberam nos falar”, diz Jarrão.

A mesma opinião tem o vereador Evandro Almeida (PMDB). Ele questiona a forma de pagamento deste convênio. “O valor é para ser pago daqui a quatro anos, com juros de até 4,5% ao ano, conforme a cotação do dólar. Não sabemos como estará o dólar daqui uns anos”, indaga Almeida.

Reação

Até mesmo o vereador Dionísio Bressan (PP), que forma a base aliada do prefeito, concordou com a retirada da votação. “Tivemos uma atitude sensata, pois ninguém está dizendo que não irá aprovar, somente queremos esclarecimentos que até então não foram dados”. Quanto à reação de Bertoncini, que mostrou irritação até com os próprios aliados, que concordaram em adiar a votação, Bressan rebate.

“Vivemos em uma democracia. Em um ano e meio, aprovamos tudo o que o prefeito pediu. É lamentável que, quando queremos mais explicações em prol da população, sejamos tratados dessa maneira”, reclama. O vereador Deka May (PP) já posicionou-se a favor ao projeto, mas, em consideração aos colegas da casa, também optou em ter mais um tempo para esclarecimento.

Saiba mais

A nova sede da prefeitura está orçada em R$ 9 milhões. O projeto visa a construção do centro administrativo no antigo aeroporto. Segundo informações da prefeitura, a verba está pré-aprovada pelo governo federal e apresenta vantagens como taxa de 4% ao ano e prazo de carência de quatro anos, além de reduzida a contrapartida do município. Do total a ser financiado, R$ 2 milhões serão destinados à construção de um centro administrativo municipal.

A obra deve abrigar, em uma primeira etapa, os gabinetes do prefeito e vice, além das secretarias de finanças, administração, meios e suprimentos, comunicação, procuradoria jurídica e assessorias especiais. Para o complexo de casas hoje ocupado por estas repartições deverão ser transferidas as secretarias de assistência social, agricultura, serviços públicos, cultura, e indústria e comércio.