Tatiana Stock
Tubarão

A partir de hoje é proibida a ocorrência de qualquer atividade que gera aglomeração de pessoas, especialmente em ambientes fechados em Tubarão. Boates, cinemas, festas, shows, missas e cultos religiosos, escolas e universidade ficarão fechadas por pelo menos 30 dias.

O decreto assinado ontem pelo prefeito Manoel Bertoncini (PSDB) declara a cidade em situação de emergência devido ao alto número de casos suspeitos da gripe A (H1N1). A “lei” valerá por 30 dias e pode ser anulada antes. Isto, porém, dependerá da diminuição dos casos.

Se a quantidade de registros continuar alta, Bertoncini poderá estender a validade do decreto. “Não queremos pânico. Prefiro pecar pelo excesso do que pela negligência. Esta decisão foi tomada a partir da análise de dados epidemiológicos e é necessária para quebrarmos a corrente de transmissão do vírus”, justificou o prefeito.

Repartições públicas como o fórum e a própria prefeitura, terão apenas expediente interno. O decreto não restringe a abertura de lojas, supermercados, shopping e indústrias da cidade.

Cada município fará seu quadro de restrição

As medidas que serão adotadas daqui para frente pelo estado, a fim de combater e controlar a proliferação do vírus A (H1N1) foram anunciadas ontem à tarde, em um encontro macrorregional, na Unisul, em Tubarão. O secretário estadual de saúde, Eduardo Cheren, admitiu que a situação de Santa Catarina em relação a pandemia da nova gripe inspira mais que preocupações.

“Esta nova configuração nos faz anunciar medidas impopulares, mas são de extrema necessidade”, salientou. Cheren também anunciou que o estado auxiliará as cidades com os gastos extras por conta da nova gripe.

O secretário sugeriu que os gestores municipais, cujas cidades estão com problema acima da média com a gripe A, adotem medidas como as admitidas em Tubarão. Cheren indicou também que haja restrição em visitas em presídios, hospitais, orfanatos e asilos. Ele também recomendou que todos os municípios criem centros de triagem para a separação dos doentes.

Casos suspeitos
Na região sul de Santa Catarina, o quadro epidemiológico mais grave é em Tubarão. A cidade apresenta o mais alto índice de doentes suspeitos por conta da nova gripe. Até ontem, a gerência regional de saúde em Tubarão registrou 286 notificações de suspeitos da Influenza A. Deste total, 234 pessoas são da cidade e 52 de municípios vizinhos.

Óbitos
A Influenza comum leva 36 mil catarinense para os leitos de hospitais por ano. Destas, aproximadamente 800 morrem por complicações respiratórias. Quanto a nova gripe, conforme estatística do diretor da Vigilância Epidemiológica do Estado, Luiz Antônio Silva, são 122 casos confirmados em Santa Catarina. Outros 800 pacientes aguardam o resultado do exame laboratorial e dez óbitos permanecem uma incógnita. Até agora, cinco catarinense morreram por conta da gripe A e outros cinco morreram por outra motivo.