Zahyra Mattar
Tubarão

No total, 108 pessoas na região coletaram material para exames a fim de confirmar, ou não, a contaminação pelo vírus A (H1N1), desde maio deste ano. O número sobe a cada dia e deixa todos em pânico. Pior do que esta notícia, é a situação da família da jovem Noemi Souza Martins Cascaes, 22 anos, a segunda morte confirmada no estado em decorrência da nova gripe. O tio dela está em coma na UTI do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) desde a última sexta-feira.

A informação foi confirmada na noite de ontem pela mãe de Noemi. O homem tem apenas 31 anos e segue com gravíssimos problemas respiratórios. “O meu cunhado está exatamente como Noemi ficou. Teve os mesmos sintomas e a mesma evolução da doença”, lamenta a mãe da jovem.

Noemi estava grávida de seis meses (era um menininho) quando foi acometida pelo vírus. A criança morreu ainda em seu ventre. Segundo a mãe, ela foi cinco vezes ao médico até ser constatado que seu estado merecia cuidados diferenciados. “Faço um apelo às autoridades de saúde. É preciso que os médicos observem melhor os sintomas dos pacientes. O que minha família passa neste momento é inexplicável. Enterrei minha filha aos 22 anos. O quartinho do bebê estava prontinho. Vivíamos um sonho e hoje estamos em meio a um pesadelo que parece não ter fim”, desabafa.

Ontem, o resultado de exames feitos em cinco outros pacientes da região tiveram o resultado divulgado pela 20ª gerência regional de saúde em Tubarão. Destes, três são negativos para a nova gripe (duas pessoas de Tubarão e uma de Santa Rosa de Lima). Dos outros dois – de Tubarão – a contaminação pelo vírus A foi confirmada.

Olimpíada Estudantil Catarinense
2009 poderá ser cancelada

Uma comitiva da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) reuniu-se com o secretário de saúde da prefeitura de Tubarão, Roger Augusto Vieira e Silva, para tratar da realização da 9ª edição da Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc). O evento está agendado para ocorrer entre os dias 15 e 22 deste mês, em Tubarão. A maior preocupação do secretário é a aglomeração de pessoas, especialmente após a confirmação de quatro casos da nova gripe na cidade, entre eles o óbito de uma gestante. “O interessante é evitar conglomerações de pessoas. A Olesc reunirá quase cinco mil pessoas no município”, avalia Roger.

O diretor administrativo da Fesporte, Joaquim Villarin Júnior, é contrário à medida e discorda do secretário. “Outros eventos como os Jogos Estudantis de Santa Catarina (Jesc), disputado em Rio do Sul no mês passado, não foram cancelados e ocorreram normalmente. O tradicional Festival de Dança de Joinville reuniu milhares de pessoas do Brasil e do mundo e também não foi cancelado”, relembra Joaquim.

Hoje, uma reunião entre o secretário estadual de cultura, esporte e turismo, Gilmar Knassel, o de educação, Paulo Bauer, o de saúde, Luiz Eduardo Cherem, e o presidente da Fesporte, Cacá Pavanello, reúnem-se para decidir a questão. Segundo o secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, Jairo Cascaes (DEM), o mais provável é que as olimpíadas seja mesmo canceladas.

Medidas a serem implantadas em Santa Catarina

Após a confirmação de três mortes em decorrência a contaminação com o vírus da nova gripe, o governo do estado anunciou medidas diferenciadas para tentar conter a doença.

Uma delas é a instalação de centros de triagem em municípios com mais de 35 mil habitantes. Um desses centros já foi montado, em Criciúma, nesta semana.
As cirurgias agendadas serão suspensas e haverá limitação de visitas nos hospitais. A rede pública de ensino funcionará em esquema de vigilância e as merendeiras passarão a cozinhar usando máscaras.