O resultado do exame é disponibilizado ao paciente em até quatro dias úteis.
O resultado do exame é disponibilizado ao paciente em até quatro dias úteis.

Zahyra Mattar
Tubarão

A grande procura pelo exame que descarta ou confirma a contaminação pelo vírus A (H1N1), responsável pela pandemia mundial da nova gripe, enche o setor de emergência do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), de Tubarão. Mesmo quem não tem nenhum tipo de sintoma de gripe – seja qual for o possível tipo – aguarda horas para ser atendido a fim de “descartar” a nova gripe, algo que, sem o exame laboratorial, é impossível.

A instituição já fez inúmeros pedidos para que as pessoas procurem pelos postos de saúde, onde há profissionais igualmente capacitados para filtrar quem necessita de atendimento hospitalar. Ainda assim, a população insiste em se aglomerar no pequeno espaço da emergência. O movimento é pelo menos 50% maior do que o normal. Este ritmo frenético de trabalho é registrado há duas semanas, quando os números de casos suspeitos começaram a aumentar na cidade.

E justamente por esta procura grande, tanto por informações como pelo exame, que o Laboratório Santa Catarina, em Tubarão, passou a disponibilizar o teste para descartar, ou confirmar, a nova gripe. Uma equipe treinada é responsável pela coleta do material e o envio das amostras a um laboratório de genética.
O material é analisado e o resultado disponibilizado em até quatro dias úteis.

O valor do procedimento é de R$ 200,00 e está disponível para pacientes particulares desde a última semana. “Abrimos espaço para os hospitais ontem (terça-feira). Muitos nos ligavam para saber se fazíamos o teste, mas o custo é alto e a demanda para isso, na região, muito pequena. Então, encontramos um laboratório especializado que analisa as amostras”, detalha o proprietário do Laboratório Santa Catarina, o bioquímico José Carlos Mamprim.

A procura pelo exame começa a ficar cada vez mais alta. Porém, destaca Mamprim, é importante que as pessoas tenham consciência que a questão da gripe está muito mais ligada a mudança de hábitos do que em um resultado de exame. “Assim como na gripe comum, a pessoa deve evitar sair de casa, especialmente para ir a lugares populosos, e ficar em isolamento”, ensina o bioquímico.

Homem continua na UTI

O paciente com sintomas que podem ser da gripe A continua internado na UTI do Hospital Socimed, em Tubarão, com graves problemas respiratórios. Ao todo, 35 pessoas são suspeitas de terem a doença na cidade. Entre os possíveis contaminados, está um médico do corpo clínico do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC).
Do total de casos, 11 ainda estão em hospitais: dez no HNSC e um (o que está na UTI) no Socimed. Ainda na região, há duas pessoas também internadas no Hospital de Caridade de Jaguaruna (HCJ). Com isso, na Amurel, contabiliza-se 13 casos suspeitos hospitalizados.

As outras 24 pessoas com suspeita recuperam-se bem em casa. Desde o começo da pandemia, em maio deste ano, Tubarão registrou 37 casos suspeitos da enfermidade. Um caso foi confirmado e outro descartado. Os outros todos dependem do resultado dos exames que confirmarão, ou não, a gripe A.