Gerente regional de saúde em Tubarão, Dalton Marcon agiu rapidamente na ocasião, e conseguiu repor o estoque da vacina em poucos dias.
Gerente regional de saúde em Tubarão, Dalton Marcon agiu rapidamente na ocasião, e conseguiu repor o estoque da vacina em poucos dias.

Zahyra Mattar
Tubarão

O caso das 1.070 doses de vacina Pneumo 10 que foram para o lixo na gerência regional de saúde em Tubarão, após congelarem, deve ter um desfecho final em breve. É esperado que ainda neste mês o processo administrativo para apurar o que houve e dar a devida sanção à servidora responsável, seja aberto. Para isso, é necessário apenas a assinatura do secretário estadual de saúde, Dalmo Claro de Oliveira.

“Ele (o secretário Dalmo) já está com os documentos em mão, entregues por mim. Acredito que este mês já teremos alguma novidade. Como disse na ocasião, esta situação não pode e não ficará impune. A sociedade merece uma resposta. Afinal, trata-se de dinheiro público”, reconhece o secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, Haroldo Silva, o Dura (PSDB).
A comissão que avaliará o caso é formada por dois funcionários da gerência de saúde e um da SDR, os depoimentos devem começar a ser coletados ainda neste mês, conforme previsão inicial de Dura. “Quanto antes, melhor”, emenda o secretário.

Além do gerente regional de saúde, Dalton Marcon, a coordenadora do setor de imunização, enfermeira Janete Zandomênico, e todos os plantonista serão intimados para prestarem depoimento.
Após coletar as informações e analisar tudo, a comissão irá proferir a sua decisão final, que poderá ser a restituição do valor que foi para o lixo, literalmente, até a exoneração ou outros tipos de medidas administrativas.
“Isto saberemos somente após tudo ser esclarecido. Seria prematuro e nada ético especular que tipo de punição a pessoa receberá. Só posso assegurar uma coisa: este é um caso que não se repetirá na regional de Tubarão e não vai acabar em pizza”, promete Dura.

Um desperdício que supera os R$ 33 mil

O caso das vacinas de Pneumo 10 que foram para o lixo na gerência regional de saúde em Tubarão, veio a tona no começo de janeiro deste ano. A plantonista responsável por verificar a temperatura das geladeiras de armazenamento, durante o feriado de Natal, não compareceu na regional.

A temperatura da sala, no sábado e domingo de Natal, chegou a 0,3ºC, enquanto deveria estar entre 2ºC e 8ºC. A verificação, em fins de semana e feriados, obedece a uma escala de plantão. Mas a pessoa destacada para a tarefa não apareceu para verificar os termômetros.

O resultado disso foi que todo o lote teve que ser descartado. Um desperdício de R$ 33,6 mil. As doses venceriam somente no próximo ano e foram enviadas em 2010 pelo Ministério da Saúde, quando começaram a ser disponibilizadas na rede pública de saúde.