Área do aeroporto ainda não está totalmente fechada. Repasses deverão ser cobrados por entidades como Amurel e Acit.
Área do aeroporto ainda não está totalmente fechada. Repasses deverão ser cobrados por entidades como Amurel e Acit.

Angelica Brunatto
Jaguaruna

Desde 2009, nenhuma movimentação na conta do consórcio de desapropriação dos terrenos do Aeroporto Regional Sul de Jaguaruna foi feita. Desde então, apenas 12 das 17 cidades honraram com o compromisso de contribuir para que a dívida fosse paga, e ainda restam R$ 800 mil.
O assunto também não é mais pauta das reuniões da Amurel há muito tempo. “Temos que voltar a discutir para encontrar uma solução. Aqueles que fizeram o acordo devem pagar”, avalia o presidente da associação, o prefeito de Laguna, Célio Antônio.

E o problema agrava-se ainda mais com a aproximação de mais uma eleição. Este é o último ano de muitos prefeitos da região, que provavelmente irão passar as dívidas para os próximos gestores.
Entretanto, já há algumas alternativas em mente para que a conta possa ser paga. O presidente da Associação Comercial de Tubarão (Acit), Eduardo Silvério Nunes, afirma que a entidade tem cobrado há algum tempo dos municípios. “A gente sabe das dificuldades do poder público. Cogitamos a hipótese de colocar este valor na licitação para que a empresa que assumir o aeroporto assuma também esta dívida”, aponta Eduardo.

Estas questões podem também atrapalhar a intenção de inaugurar o empreendimento em agosto. Já que o terreno ainda não está totalmente cercado. O secretário de infraestrutura do estado, Valdir Cobalchini, revela que desconhecia esta situação até ontem. “Eu não abro mão de inaugurar a obra em agosto, temos condições. Vou averiguar, caso seja necessário, vou intervir”, garante Cobalchini.

Visita
O secretário de infraestrutura do estado, Valdir Cobalchini, deve estar no próximo dia 25 em Jaguaruna. Ele quer visitar as obras do Aeroporto Regional Sul de Jaguaruna, e definir, junto a outras autoridades regionais, a real data de inauguração do espaço.

As desapropriações em números

• Área total: 66 lotes (3.126.475,70 milhões de metros quadrados).
• Área total paga: 48 lotes (2.360.891,77 milhões de metros quadrados).
• Área total não quitada: 18 lotes (765.573,93 mil metros quadrados).

Valores
• Avaliação dos lotes em 1º de junho de 2002: R$ 1.112.568,94.
• Pagos até agora (com a correção): R$ 1.091.851,59 (era R$ 1.054.444,68 até abril de 2010).

Ainda faltam:
• R$ 180.177,06 (valor nominal), hoje em aproximadamente R$ 800 mil.
• Valor já depositado pelos municípios: R$ 1.091.851,59
• Se fosse pelo valor nominal, 98% da dívida já estaria quitada. Com as cifras de hoje, a parte paga corresponde a 82,99%. O restante, 17,01%, é o que falta ser liquidado.