Tatiana Dornelles
Tubarão

Aos ‘olhos’ de alguns motoristas, o trânsito de Tubarão é considerado caótico devido ao intenso fluxo de veículos. Em alguns horários específicos, como ao meio-dia, às 13h30min e às 18 horas, filas ‘intermináveis’ formam-se nas principais ruas e avenidas. A ‘briga’ entre carros, ônibus, motos, bicicletas e pedestres é comum nestas horas de tráfego, o que muitas vezes resulta em acidentes. E isso não ocorre apenas dentro da cidade.

As rodovias estaduais e federais também são responsáveis por cenas desagradáveis ou de verdadeiras tragédias.
Somente este ano, foram registradas no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), até ontem, 2.219 entradas por acidentes de trânsito (veja adendo). Isso sem contar os danos materiais, em que não há feridos, o que deve praticamente duplicar ou triplicar os números.

No que se refere ao trânsito dentro da cidade, algumas medidas já são tomadas há algum tempo para tentar amenizar o problema: instalações de placas de sinalização, pintura de faixas de pedestres e sinalizações horizontais, além do trabalho intenso da Guarda Municipal para tentar coibir algumas ações praticadas por motoristas.

Agora, com a abertura da avenida Pedro Zapellini, que seguirá de Oficinas ao centro e interligará vários bairros, a expectativa é que haja um desafogamento no trânsito na região central. “Nossa expectativa com a abertura da Pedro Zapellini é que, com este anel viário, o trânsito seja menos complicado. As pessoas buscarão rotas alternativas e isso irá diminuir os problemas enfrentados atualmente no centro”, considera o secretário de segurança e trânsito da prefeitura, Adolfo Pinter.