Zahyra Mattar
Tubarão

O ‘morador’ do museu sumiu. Desde quinta-feira, quando a sua ‘casa’ foi demolida e o local limpo, nenhum sinal do homem cabeludo e barbudo que dormia desde o dia 23 do mês passado em um dos vãos do Centro Municipal de Cultura (CMC), no centro de Tubarão. Conforme informações recebidas pelo Notisul nesta sexta-feira, o vice-prefeito Felippe Luiz Collaço (PP), o Pepê, teria dito que o caso foi solucionado pela secretaria de assistência social (SAS) da prefeitura.

Ele está fora da cidade e não pode ser localizado para confirmar a afirmativa e se realmente houve uma solução. Na verdade, a maior dúvida é saber qual foi o desenrolar do caso. Na prefeitura, ninguém sabe qual o destino do andarilho. O questionamento fica em torno de qual foi a solução. Não há informações se ele está em tratamento ou apenas foi retirado dos olhos da população.

No Albergue Noturno Pousada da Paz, o homem não ficou, nem na quinta, nem na sexta-feira. A ideia do vice-prefeito, muito elogiada pela população, era formar uma equipe com uma profissional de assistência social e uma psicóloga para tentar falar com o homem. Também não há informações se isto foi feito.
Na SAS, todos estão proibidos de repassar informações ao Notisul. Os telefones da secretária, Vera Stüpp, estava desligado nesta sexta-feira. A falta de esclarecimento do caso coloca em xeque qualquer que tenha sido a tal solução para a situação do homem.

O Notisul também entrou em contato com o secretário de segurança e trânsito, João Batista de Andrade. Ele igualmente disse que desconhece qualquer ação. “Minha pasta não foi acionada. Se algo foi feito, e acredito que sim, não tenho informações”, resumiu Batista.
Ao que tudo indica, não falta apenas mecanismos que facilitem proporcionar auxílio para a população de rua em Tubarão, mas também uma rede de informação para anunciar como cada caso é acompanhado.