Laguna

Os trabalhos de retificação dos molhes do Porto Pesqueiro de Laguna terminaram em setembro do ano passado. Porém, para os usuários do canal, é como se as obras nunca tivessem ocorrido. O calado deveria ter dez metros de profundidade e tem 2,5 metros nos pontos mais profundos.

No dia 24 deste mês, conforme o Notisul adiantou em dezembro de 2009, ocorrerá uma audiência pública, na câmara de vereadores, às 18 horas, para tratar sobre o assunto. O procurador da república em Tubarão, Celso Antonio Três, explanará toda a situação e as duas ações civis públicas que ingressará contra o consórcio Sulcatarinense, Odebrecht e Carioca Christiani-Nielsen, a União, o Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit) e a secretaria especial de porto do Ministério dos Transportes, entre outros órgão federais.

“Uma ação será para responsabilizá-los por improbidade administrativa. A outra para que corrijam os problemas existentes, porque do jeito que está não pode ficar. Até agora não conseguimos o ato de quitação da obra porque fizeram uma inauguração secreta. É um absurdo”, revela Três.
A obra foi licitada em R$ 19,3 milhões e deveria ser executada em três anos. Porém, foram feitos aditivos e o valor dobrou: R$ 40 milhões e o prazo prorrogado por mais seis anos.