Amanda Menger
Tubarão

O curso técnico em enfermagem termina daqui a seis meses. Mas antes da formatura, Simone Alexandre Cardoso já está com um emprego garantido. Há um ano ela trabalha com um cirurgião dentista em Capivari de Baixo. E a oportunidade surgiu por meio de um estágio.

“Vale muito a pena fazer um estágio. Eu conhecia o doutor Daniel porque ele é o dentista da família e cuida da minha filha também. Ele precisava de alguém para ajudá-lo. Eu me ofereci e o Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) intermediou a parte burocrática”, relata Simone.

A experiência foi considerada ótima e Simone, efetivada. “O importante é aproveitar a oportunidade. Procurar uma área em que você se identifique, que goste mesmo, porque isso facilita o trabalho. Estou muito contente e recomendo o estágio para todos que procuram iniciar a vida profissional”, sugere.

E este é o melhor momento para quem procura por uma vaga como estagiário. Em Santa Catarina, são cerca de 600 vagas e só em Tubarão são 30 à espera de um candidato. “Esta é a melhor época do ano para quem quer fazer um estágio remunerado. Porque as empresas disponibilizam vagas e é possível encontrar boas possibilidades. Há vagas para alunos de ensino médio, técnico e superior”, revela a responsável pelo Ciee em Tubarão, Sylvia Figueiredo.

Entre os cursos que mais oferecem vagas estão administração (diversas áreas), ciências contábeis, sistemas de informação, elétrica e eletrotência e direito.

“A idade mínima para fazer estágio é 16 anos. O contrato pode variar de seis meses a no máximo dois anos. A probabilidade de efetivação é muito grande. De acordo com pesquisas, 64% dos estagiários acabam sendo efetivados”, afirma Sylvia.

Os estagiários recebem uma bolsa-auxílio que pode variar de R$ 250,00 até R$ 500,00 e, em alguns casos, pode chegar até R$ 1 mil, conforme a escolaridade e a empresa. “É uma grande oportunidade para quem souber aproveitar. O aluno ganha experiência e isso conta pontos na hora de buscar um outro emprego ou mesmo estágio”, relata Sylvia.

Nova lei do estágio traz mais benefícios
Tatiana Dornelles
Tubarão

Se antes os estagiários não contavam com muitas regalias, agora há vários benefícios a seu favor. Férias remuneradas ou proporcionais (caso o estágio seja interrompido antes de um ano), bem como 13º salário, passam a ser direitos a este tipo de trabalhador.

A Lei 11.788, de 26 de setembro de 2008, prevê ainda o fornecimento de bolsa auxílio e vale transporte, obrigatórios, nos casos de estágios extra-curriculares. Além disso, a carga-horária máxima é de seis horas diárias, independente do nível de estudo.

“A lei do estágio aproxima-se quase da lei trabalhista e garante ao estudante vários benefícios que antes não eram oferecidos, como férias remuneradas e 13º, por exemplo”, compara a presidenta da Associação das Donas de Casa e Consumidores (Adocon) de Tubarão, Reneuza Borba.

A legislação dispõe ainda que nenhum estudante poderá ficar mais de dois anos como estagiário de uma empresa, que por sua vez deve proporcionar seguro contra acidentes pessoais para seus estagiários e conhecer o calendário de atividades acadêmicas, de forma que nas datas das avaliações libere o aluno mais cedo.

As férias devem ser gozadas pelo estagiário a cada 12 meses de atividades e concedidas, preferencialmente, na mesma época das férias escolares. Quando as atividades de estágio tiverem sido realizadas em período inferior a um ano, os dias de recesso serão proporcionais.

Ao estudante compete assinar o termo de compromisso, freqüentar o estágio, discutir e sanar dúvidas com o orientador.