Zahyra Mattar
Tubarão

Uma comitiva tubaronense, chefiada pelo prefeito Manoel Bertoncini (PSDB), reuniu-se ontem à tarde com representantes da Caixa Econômica Federal, em Florianópolis, para acertar os últimos detalhes do projeto para a obra de macrodrenagem da margem esquerda do município.

Foram definidos pequenos ajustes no documento e o mais importante: os prazos para a concretização deste projeto que solucionará problemas de alagamentos, como estes observados nesta semana. A meta é anunciar o resultado da licitação até o fim de julho e iniciar a obra no começo de agosto.

“Está tudo bem afinado. Na próxima segunda-feira, voltamos a Florianópolis para terminar esta burocracia. Situação como a que vivemos nestes dias não pode se repetir. O pessoal da Caixa viu o nosso sofrimento de perto, já que tiveram que passar pela cidade para ir à reunião”, valoriza o prefeito.

Os recursos para a macrodrenagem – R$ 4,9 milhões a fundo perdido – são do Ministério das Cidades e serão aplicados prioritariamente na solução dos alagamentos em pontos críticos do município. A prefeitura trabalha ainda em um segundo projeto, desta vez para contemplar áreas com problemas de acúmulo de água na margem direita. A obra tem orçamento estimado em R$ 5 milhões e deve ser incluída na segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2).

Estações elevatórias
Serão construídas duas. Uma na avenida Padre Geraldo Spettmann, esquina com a avenida Getúlio Vargas (beira-rio – cabeceira da ponte Nereu Ramos), e outra na Vila Elisa. A expectativa é de que sejas implantadas dentro de três meses. O investimento será de R$ 400 mil do governo federal e mais R$ 22 mil de contrapartida do município. Esta obra beneficiará cerca de oito mil famílias.

Macrodrenagem
A ampliação do sistema de drenagem envolverá a construção de galerias, em uma extensão de 1,49 quilômetro, além da implantação de 15 caixas de ligação e passagem d’água, desde a BR-101 até o Rio Tubarão. A previsão é que fique pronta em quatro meses. O projeto beneficiará cerca de 28 mil habitantes (30% da população de Tubarão), moradores dos bairros Humaitá, Dehon, Morrotes, Vila Elisa e Centro. A obra está orçada em R$ 4,5 milhões e contrapartida do município de R$ 221 mil.

Hora de contabilizar prejuízos

Carolina Carradore
Tubarão

A chuva deu uma trégua ontem e o sol, ainda que tímido, deu o ar da graça durante todo o dia. Tempo bom para arregaçar as mangas e tentar colocar em ordem todo o transtorno causado pelas chuvas dos últimos dias. Em Tubarão, pelo menos 40 mil pessoas foram afetadas pelo mau tempo.

Segundo relatório da Defesa Civil, 800 pessoas foram deslocadas de suas casas e 400 permanecem desabrigadas. Por enquanto, todas as famílias que abandonaram os seus lares permanecem em casas de parentes. Com o apoio das secretarias de saúde e assistência social da prefeitura, técnicos do órgão visitarão os bairros mais atingidos para ter uma noção das principais necessidade das famílias que tiveram as casas inundadas.

A secretária de assistência social, Vera Lúcia Campos Stüpp, acredita que ainda é cedo para mobilizar uma campanha de arrecadação de donativos aos desabrigadas. Ela espera o levantamento feito pela Defesa Civil e funcionários da secretaria, que fica pronto somente na próxima quinta-feira.

Aulas ainda estão suspensas em algumas cidades

Wagner da Silva
Braço do Norte

No Vale de Braço do Norte, bueiros e ruas foram danificadas, houve queda de barreiras em diversos pontos das estradas municipais e também da estadual.
As aulas nas escolas municipais foram canceladas em São Ludgero e Braço do Norte. Em Santa Rosa de Lima e Rio Fortuna, o mesmo ocorreu nas escolas estaduais.

Prejuízos também foram registrados no centro de Braço do Norte. O rio subiu de três a quatro metros quarta-feira, e voltou ao nível normal.
Ontem, a chuva deu uma trégua e as equipes das secretarias de transportes e obras dos municípios do vale trabalhavam intensamente para dar condições de tráfego a todas as comunidades.