Zahyra Mattar
Tubarão

Ainda que Tubarão seja um município visivelmente atrasado no que se refere a obras de drenagem para evitar alagamentos e enchentes, aos poucos os gestores começam a perceber que enterrar tubos pode não dar tantos votos, mas, lá na frente, faz a diferença entre ter a cidade “de pé” ou “em pedaços” após uma grande chuva.

E vem novidades por aí neste setor. Esta semana, o vice-prefeito de Tubarão, Pepê Collaço (PP), segue a Brasília onde trata de detalhes de mais um projeto que tramita no Ministério das Cidades. São pleiteados mais R$ 15 milhões para efetuar obras de drenagem em vários bairros da margem direita.

O pedido já foi inscrito na segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) e beneficiará as comunidades do Recife, Vila Moema, Andrino, Loteamento Meneghel e parte de Oficinas (nas proximidades do campo do Noroeste).

“Não podemos mais passar por aquilo que vimos em maio. A sinalização que tenho é bastante positiva. Tenho certeza que volto com a verba”, anuncia Pepê, cuja expectativa é retornar da capital federal também com a liberação da verba às obras na margem esquerda na bagagem. O recurso foi conseguido pelo próprio vice-prefeito ainda no ano passado.

A verba, de R$ 4,9 milhões, será investida em obras de drenagem em bairros na margem esquerda, entre as quais a construção de duas estações elevatórias (veja detalhes abaixo). “Se tudo estiver certo, como imagino que esteja, teremos obras na margem esquerda até a metade do mês de outubro”, revela o vice-prefeito.

O que será feito na margem esquerda
Os projetos de construção de duas estações elevatórias às margens do Rio Tubarão e obras de macrodrenagem na margem esquerda da cidade, têm o objetivo de evitar que novos locais passem a acumular água, já que a obra de duplicação da BR-101 mudou a característica de algumas regiões, caso do bairro Dehon, por exemplo.

A construção das estações elevatórias beneficiará cerca de oito mil famílias. A expectativa é de que seja implantada dentro de três meses, a partir da data da assinatura da ordem de serviço. O investimento será de R$ 400 mil do governo federal e mais R$ 22 mil de contrapartida do município.

A primeira bomba será construída na avenida Padre Geraldo Spettmann, esquina com a avenida Getúlio Vargas (beira-rio – cabeceira da ponte Nereu Ramos), e a segunda na Vila Elisa.

Já a macrodrenagem, que será realizada desde a BR-101 até o Rio Tubarão, deve levar cerca de quatro meses para ser concluída. O projeto beneficiará cerca de 28 mil habitantes (quase 30% da população de Tubarão), moradores dos bairros Humaitá, Dehon, Morrotes, Vila Elisa e Centro.

A obra está orçada em R$ 4,5 milhões e contrapartida do município de R$ 221 mil. A ampliação do sistema de drenagem envolverá a construção de galerias, em uma extensão de 1,49 quilômetro, além da implantação de 15 caixas de ligação e passagem d’água.