Muitos motoristas não respeitam a sinalização e estacionam em locais proibidos, como em faixa amarelas ou vagas destinadas a idosos
Muitos motoristas não respeitam a sinalização e estacionam em locais proibidos, como em faixa amarelas ou vagas destinadas a idosos

 

Karen Novochadlo
Tubarão
 
Para regularizar a situação dos estacionamentos nas principais ruas de Tubarão, a Área Azul deve voltar a funcionar este ano. Um novo prazo para o lançamento do edital de licitação foi estabelecido. Será no próximo mês. A informação é do secretário de segurança e trânsito da prefeitura, Toni Bittencourt. 
 
A licitação deveria ser aberta neste mês, como foi divulgado em dezembro. Contudo, o edital não foi terminado a tempo. Faltam alguns detalhes para serem revistos. 
 
A nova Área Azul terá algumas mudanças. O número de funcionários que trabalharão no estacionamento rotativo não deverá aumentar. Contudo, deverá ser modernizado e automatizado. A utilização de parquímetros será mantida. 
 
As antigas vagas demarcadas no centro da cidade continuarão a ser utilizadas, e novas serão criadas no bairro Oficinas, como na avenida Pedro Zapellini e na rua Altamiro Guimarães. A equipe da secretaria de segurança e trânsito realizou um levantamento no mês passado para definir os pontos que serão acrescentados. A área branca, onde era possível estacionar por mais tempo, continuará a funcionar.
 
Os funcionários da empresa que vencer a licitação não poderão aplicar as polêmicas multas. Este função será da Guarda Municipal. Já existem empresas interessadas em trabalhar em Tubarão, inclusive uma de Goiânia.
 
Sistema não funciona desde setembro
A Área Azul deixou de funcionar desde setembro do ano passado, quando foi rescindido o contrato com a empresa Caiuá Assessoria, Consultoria e Planejamento, de Joinville. 
As notificações, ou seja, os avisos de irregularidade aplicados pelas monitoras do estacionamento rotativo, foram suspensas no dia 4 de fevereiro do ano passado, através de uma ação civil pública proposta pela promotoria de justiça do Ministério Público de Tubarão. As notificações feitas antes da data estabelecida e não pagas foram canceladas. 
A determinação foi proferida pelo juiz Júlio César Knoll. A concessionária assumiu a Área Azul em junho de 2007, com um contrato para dez anos. Quando houve a rescisão, faltavam 14 meses para finalizar o convênio.