Decisão foi tomada esta semana em uma reunião entre o presidente do Deinfra, Paulo Meller, o diretor-geral da secretaria de infraestrutura, Paulo França, o secretário da pasta Valdir Cobalchini.
Decisão foi tomada esta semana em uma reunião entre o presidente do Deinfra, Paulo Meller, o diretor-geral da secretaria de infraestrutura, Paulo França, o secretário da pasta Valdir Cobalchini.

Zahyra Mattar
Tubarão

No dia 25 de novembro do ano passado, a região celebrava um presentão dado pelo então governador Leonel Pavan (PSDB): a assinatura da autorização para licitação da pavimentação asfáltica dos 17 quilômetros da rodovia SC-432, entre Pedras Grandes e Orleans.

A obra, orçada em R$ 21 milhões, é um dos trechos do projeto Serramar, cujo mote é fomentar o turismo na região. Agora, por ordem do secretário estadual de infraestrutura, Valdir Cobalchini, todas as licitações não lançadas ficarão suspensas por quatro meses.

As obras em andamento ou com ordem de serviço assinadas pelo governo passado serão executadas normalmente. Na região é o caso da SC-100, a futura Interpraias, em Laguna.

Nestes próximos 120 dias, explica o secretário, será feito todo o planejamento de investimentos da secretaria de infraestrutura para os próximos quatro anos. “As obras que estão em fase de licitação e projetos passarão por uma avaliação junto com o governador Raimundo Colombo para definir se realmente são prioritárias”, avisa Cobalchini.

Assim, somente se for considerada prioritária, a licitação da SC-432 será mesmo lançada. A obra, financiada pela quinta edição do financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (Bid-5), tinha previsão de lançamento da ordem de serviço para março deste ano.

Interpraias: sem obras
As obras na SC-100, em Laguna, ainda não iniciaram. Ainda que a execução dos trabalhos esteja garantida, as empresas não montaram seus respectivos canteiros de obras em nenhum dos dois lotes.

A Setep, de Criciúma, será a responsável pela execução do serviço de asfaltamento do trecho de 15,540 quilômetros entre a balsa e o Camacho. O investimento será de R$ 20.929.047,40.

Já a A. Mendes, de Gravatal, terá a missão de pavimentar, com paralelepípedos, os 2,280 quilômetros de acesso ao Farol de Santa Marta. O valor licitado foi de R$ 2.770.115,66.

A Prosul, responsável pela supervisão das obras (R $ 2.492.353,44) e pela confecção do plano ambiental básico (R$ 4.263.961,85), também não começou o trabalho.