Zahyra Mattar
Tubarão

A investigação paralela aberta pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE/SC) em relação ao escândalo das diárias na câmara de Tubarão deu mais um passo. O vereador Geraldo Pereira (PMDB), o Jarrão, e sua assessora, Cynara Guimarães Antunes, foram citados para apresentar as suas respectivas defesas.

Eles terão 30 dias para argumentar junto ao TCE. O prazo começou a ser contado no último dia 11 e expira em 9 de novembro. A citação deles foi a pedido da área técnica do tribunal, que elaborou o relatório referente às denúncias de mau uso do dinheiro público.

O setor constatou a possibilidade de irregularidades. O tribunal não revela quais seriam elas. Após a análise da defesa, o relatório técnico segue para o Ministério Público (MP), volta para o relator e, por último, é apreciado pelo pleno do TCE.
Caso haja entendimento de que sejam culpados de alguma das irregularidades, as penas são imputadas. Eles podem ser, por exemplo, obrigados a devolver o dinheiro gasto na viagem (R$ 4.300,82) e pagar multa.

Votação do relatório da CEI ocorre nesta quinta-feira

É aguardada a votação do relatório produzido pela Comissão Especial de Inquérito (CEI) instaurada pela câmara de Tubarão, sobre as denúncias sobre o vereador Geraldo Pereira (PMDB), o Jarrão, para esta quinta-feira. O prazo foi antecipado ao Notisul na semana passado pelo presidente da casa, João Batista de Andrade (PSDB).

O documento, entregue à mesa diretora no dia 9 de setembro, já deveria ter sido apreciado, mas foi adiado em quase um mês por conta da necessidade de pareceres jurídicos pedidos pela comissão de legislação, justiça e redação final da câmara.

O relatório apontou que as denúncias contra o vereador são verdadeiras e sugere uma série de sanções, entre as quais a devolução do dinheiro gasto na viagem ao Recife para um curso parlamentar. O documento apontou ainda que Jarrão e Cynara cumpriram apenas seis das 20 horas do curso.

Após o trâmite final no legislativo, o relatório será encaminhado para o Ministério Público (MP). O promotor Fábio Fernandes de Oliveira Lyrio prevê que deverá manifestar-se sobre o caso no fim deste mês. “Ainda aguardo a chegada de mais alguns documentos”, resume Lyrio.

O caso

O programa Fantástico, da Rede Globo, mostrou no dia 7 de agosto uma gravação onde mostra o vereador Geraldo Pereira (PMDB), o Jarrão, na praia de Porto de Galinhas, ao lado da esposa, da filha e da assessora Cynara Guimarães Antunes.

Ele e a funcionária deveriam participar de um curso parlamentar no Recife no momento em que foram filmados na praia. O episódio foi gravado no dia 4 de julho. Somente em diárias, ambos gastaram pouco mais de R$ 4.300,82.

No entanto, o vereador garante que participou do curso no período da tarde e que, no horário em que foi flagrado na praia, próximo das 11 horas, estava de folga dos seminários. A assessora Cynara não quer prestar declaração ao Notisul.

Polícia Civil ainda não teve acesso às gravações

A Central de Polícia Civil de Tubarão também investiga a denúncia divulgada em reportagem do Fantástico no dia 7 de agosto, que mostra o vereador Geraldo Pereira (PMDB), o Jarrão, e a assessora Cynara Guimarães Antunes na praia de Porto de Galinhas, enquanto deveriam estar no Recife, em um curso de capacitação parlamentar.

Os dois foram ouvidos pelo delegado Carlos Diego de Araújo em setembro. Agora, ele aguarda as filmagens feitas pela emissora. Paralelamente, ele solicitou as cópias enviadas pela Globo à câmara de vereadores de Tubarão.

Contudo, trata-se do material editado. “Fica complicado analisar algo que já está cortado. Queremos o material bruto, mas a burocracia é enorme”, lamenta Diego. Ele não previu prazo de quando irá encerrar o inquérito.