Deputado Edinho Bez (PMDB) irá se encontrar com o presidente da Caixa na segunda-feira - Foto:Jailson Vieira/Notisul
Deputado Edinho Bez (PMDB) irá se encontrar com o presidente da Caixa na segunda-feira - Foto:Jailson Vieira/Notisul

Jailson Vieira
Capivari de Baixo

Um evento raro no Sul de Santa Catarina deixou um rastro de horror em diversas cidades da região de Tubarão, na tarde do último domingo. Fortes ventos de até 220 quilômetros por hora atingiram a Cidade Azul e municípios vizinhos. O fenômeno climático resultou na morte de criança de 8 anos, dezenas de feridos e centenas de casas, unidades de ensino (fundamental, médio e superior) e estabelecimentos comerciais completamente destruídas.

Na noite desta sexta-feira, uma reunião entre representantes do legislativo municipal e federal, do executivo da Cidade Azul e empresários, na Câmara de Vereadores, buscou alternativas para retomar o crescimento da cidade, considerada a mais atingida no Estado.

No encontro, o deputado Edinho Bez (PMDB) salientou que estará, na próxima segunda-feira, com o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Magalhães Occhi, e irá propor medidas efetivas para que o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço possa ser sacado em breve. “Os que tiveram as casas atingidas acredito que conseguirão realizar o saque, mas a minha proposta para o presidente da caixa é que todos os moradores possam ter acesso ao benefício. A ajuda da economia depende desse capital, que deverá ser injetado quase que 100% no próprio município. Temos que ter forças para superar este momento difícil”, expõe o deputado.

O presidente da Casa legislativa tubaronense, Edson Firmino (PMDB), destaca que as ações devem ser tomadas o quanto antes, e a solução para que tudo possa voltar à normalidade também. “Entendemos que abdicar de alguns impostos é importante, porém temos que ter segurança jurídica. Vamos procurar o judiciário e analisar, em conjunto, o que podemos fazer”, planeja Firmino.

Conforme o presidente da Câmara de Dirigentes e Lojistas de Tubarão (CDL), Luciano Menezes, mais de 70% dos empresários foram atingidos com o acontecimento. “Temos que tomar atitudes rápidas”, resume.