Desfile oficial em São Martinho ocorre neste domingo, às 10h, com cerca de 35 grupos, todos em trajes típicos  -  Foto: Divulgação/notisul
Desfile oficial em São Martinho ocorre neste domingo, às 10h, com cerca de 35 grupos, todos em trajes típicos - Foto: Divulgação/notisul

Willian Reis
SÃO MARTINHO

Era a segunda década do século 19 quando começaram a chegar ao país os primeiros colonizadores alemães. Mas é ao Sul do Brasil que sua presença se tornou mais marcante, não só nos aparentes traços físicos de muitos de seus habitantes, como também nos rumos da história das terras em que estas famílias se instalaram.

Em Santa Catarina, a presença alemã é registrada a partir de 1829 com a criação da Colônia São Pedro de Alcântara. De lá para cá, a paisagem local tratou de absorver seus nomes, para nós, difíceis de serem pronunciados, cheios de consoantes, e muito de sua cultura, que ainda se mantém preservada em áreas como a arquitetura e a culinária. Nomes como Hering, Karsten, Döhler, Renaux, Hoepcke, Büttner, Schrader, Kuehnrich, Hufenüssler, Weege, Hess, Werner, Loch, Hansen são sinônimos da força da indústria catarinense de ponta.

Naqueles primeiros anos de imigração em solo catarinense, devido a diversas dificuldades, alguns dos imigrantes mudaram-se para o Vale do Itajaí, ocupando terras do atual município de Gaspar. A segunda onda de imigração começou em 1847, conforme explicam os estudiosos Sueli Vanzuita Petry, Ana Maria Ludwig Moraes e Marcos Schroeder. Nas proximidades do litoral, em Armação da Piedade (Biguaçu), imigrantes alemães receberam terras para cultivar, enquanto outros deveriam ser encaminhados à Colônia Leopoldina. No entanto, estes projetos não avançaram. Outras investidas de colonização foram realizadas ao longo dos vales do Capivary e Braço do Norte, aqui na região da Amurel.

Neste novo período, Hermann Bruno Otto Blumenau teve papel de destaque. Ele desenvolveu então um projeto para implantação de uma colônia privada às margens do rio Itajaí, que teve início em 2 de setembro de 1850, com a chegada de 17 imigrantes alemães. Daí surgiria a cidade de Blumenau – hoje a terceira maior do Estado.

Muitos dos imigrantes alemães e descendentes destacaram-se no campo das artes, das ciências, da política e da economia catarinenses. Mesmo distantes de sua Alemanha natal, estas famílias deixaram como herança a preocupação com a educação e a valorização de sua cultura.

São Martinho destaca-se pela forte influência alemã
Entre os municípios da região mais marcados pela colonização alemã está a pequena cidade de São Martinho, com 3.210 moradores, segundo o censo do IBGE. Seus primeiros habitantes foram os alemães Back e Effting, que chegaram entre 1800 e 1829. No entanto, a colonização de fato iniciou entre 1860 e 1870, com imigrantes de origem alemã instalando-se na comunidade hoje chamada São Martinho Alto.

Devido à forte tradição cristã, os novos moradores denominaram a região como São Martinho por se tratar de um dos santos mais populares da Alemanha.

Os colonos europeus que chegaram a São Martinho têm origem na região da Westfália, ao Noroeste da Alemanha. Aqui, desenvolveram-se em uma área antes habitada por índios do grupo Xokleng. Estes imigrantes alemães foram os responsáveis pelo início do desenvolvimento econômico da cidade.

Construíram casas, abriram estradas e ruas, ergueram as primeiras escolas e igrejas. Até hoje, suas tradições são preservadas no dia a dia de São Martinho: nas casas em estilo enxaimel, nos jardins floridos, nos cafés coloniais, nas conversas pelas ruas, na dança, na música, na gastronomia.

Mas tudo isso ganha mais visibilidade neste mês, quando o Estado é marcado pelas chamadas Festas de Outubro – as quais, além da descontração, são também um momento para celebrar o legado dos nossos colonizadores, entre eles os alemães, que, tão distantes de sua terra natal, ajudaram a moldar Santa Catarina.

Festa do Produto Colonial encerra calendário oficial
Cabe a São Martinho encerrar o calendário oficial das Festas de Outubro. Desde esta sexta-feira, o município promove a mais tradicional festa alemã do Sul de Santa Catarina: a 24ª Festa do Produto Colonial, que termina neste domingo, no Parque do Pavilhão do Produto Colonial, no Centro.

Serão três dias de muita animação com desfiles de rua, gastronomia, campeonatos típicos, concursos, danças folclóricas e muito chope. O evento é um resgate das tradições, tornando-se uma homenagem às culturas que colonizaram o município, além de valorizar os produtos coloniais feitos pelos moradores locais.

São pães, cucas, geleias, biscoitos, queijos, defumados, conservas, artesanato, chocolates e bebidas artesanais, todos comercializados nos estantes dento do pavilhão. A gastronomia também é um dos atrativos da festa. O destaque é o almoço típico colonial, no sábado e domingo, no salão Beira-Rio, a R$ 30 por pessoa. O cardápio inclui, por exemplo, gemüse, galinha caipira ensopada e salame, risotos.

Os concursos típicos também são uma das atrações da festa. Há o Oma’s Kuchen (Cuca da Vovó), que elegerá a melhor cuca, e as competições de lenhador e serrador. Domingo, último dia da festa, é a vez do concurso do Chope em Metro.

De acordo com a secretaria de Turismo e Cultura de São Martinho, Angela Sehnem Back, são esperados 25 mil visitantes ao longo dos três dias de festa de todo o Estado. Moradores de cidades vizinhas também participam do desfile oficial de domingo, às 10h. Ao todo serão cerca de 35 grupos, o que corresponde a 300 pessoas.

A festa é um importante incentivo à economia local. As pousadas já estão todas lotadas por turistas e até casas são disponibilizadas para aluguel. Os visitantes que planejam prolongar a estada na cidade têm como opção as comunidades de Vargem do Cedro e São Luiz, importantes destinos religiosos e endereço de alguns restaurantes.

Por mês, São Martinho recebe em torno de 18 mil turistas. Na economia da cidade, o turismo já corresponde a 18%.

Programação
Sábado

10h – Baile da Melhor Idade com a Banda Rothenburg
12h – Almoço Típico Colonial (Salão Beira Rio)
13h30 – Banda Rothenburg
15h – 3ª Mostra de Grupos de Danças Folclóricas Alemãs
16h – Concurso Oma’s Kuchen
17h – Concursos Culturais (Serrador/Lenhador)
20h30 – Banda Humanação
23h – Baile/Show Banda Cavalinho, Murilo & Gustavo e DJ Gringo

Domingo
10h – Desfile Oficial da 24ªFesta do Produto Colonial
12h – Almoço Típico Colonial (Salão Beira Rio)
13h – Banda Rothenburg
14h – Concurso “Chope em Metro”
15h30 – Banda Humanação
18h30 – Murilo & Gustavo
20h30 – Society Band

Festas de Outubro
Em várias regiões do Estado,
14 festas atraem mais de
2 milhões de visitantes

Encantos do Sul
Forquilhinha – Heimatfest
São Martinho – Festa do
Produto Colonial

Valeu Europeu
Brusque – Fenarreco
Timbó – Festa do Imigrante
Blumenau – Oktoberfest

Grande Oeste
Chapecó – Efapi

Grande Florianópolis
Florianópolis – Fenaostra

Caminhos da Fronteira
Itapiranga – Oktoberfest

Caminho dos Príncipes
Jaraguá do Sul – Schützenfest
Rio Negrinho – Oberlandfest

Costa Verde e Mar
Porto Belo – Festival do Camarão
Itajaí – Marejada

Caminhos do Alto Vale
Rio do Sul – Kegelfest

Vale do Contestado

Treze Tílias – Tirolerfest