Amanda Menger
Laguna

Quem pretende passar a virada do ano nas praias do litoral sul catarinense e ainda não reservou a sua vaga deve pensar em estourar a champanha em outro lugar. A ocupação da rede hoteleira deve ser de 100% tanto em Laguna quanto em Imbituba e de até 95% em Gravatal. A expectativa é boa também para os aluguéis de casas e apartamentos. “No início de dezembro, chegamos a temer como seria o fim do ano, porque as pessoas ligavam para cancelar as reservas achando que todo o litoral tinha sido atingido pelas enchentes. Graças ao trabalho de divulgação feito pela Santur, o quadro foi revertido”, afirma a secretária administrativa do Sindicato dos Restaurantes, Hotéis, Bares e similares da Amurel, Marli Fernandes.

Nesta sexta-feira, a média de ocupação dos hotéis em Laguna era de 80%. “Chegaremos a 100% na véspera do Ano-Novo. Muitas pessoas aproveitaram que o Natal caiu no meio da semana para emendar o feriado até o início de janeiro”, revela o presidente da Associação dos Restaurantes, Hotéis, Bares e similares de Laguna, Peterson Crippa da Silva. Alguns pacotes começaram nesta sexta-feira e estendem-se até a próxima quarta. Outros começam terça e seguem até o domingo da próxima semana.

Outros fatores impulsionam as reservas. “Devemos ter uma ocupação média muito boa. Ainda mais porque a temporada será maior, já que o Carnaval é no fim de fevereiro, e as pessoas vêm mais vezes para a praia. O dólar mais alto também incentiva os turistas do Mercosul a virem para o Brasil, pois fica barato para eles viajarem”, aponta Peterson.

O otimismo também contagia as imobiliárias. Na Gil Imóveis, em Laguna, dos 40 imóveis disponíveis para locação, mais de 30 já foram reservados para o Réveillon. A maioria dos aluguéis foram feitos por moradores do sul catarinense. A tendência é a locação por períodos mais curtos: de dez a 15 dias.

Os contrastes do sul começam
a cair no ‘gosto’ dos turistas

Tubarão

Que o sul é um lugar cheio de constrastes, todo mundo sabe. Todo mundo? Quase! Aos poucos, os turistas brasileiros e estrangeiros começam a perceber os atrativos inigualáveis que somente esta pequena região catarinense possui. De um lado, praias paradisíacas; do outro, estâncias termais que não deixam nada a desejar das já conhecidas e difundidas pelo mundo.

Ainda há vale, canions, no extremo sul, turismo cultural em Laguna, Tubarão, Jaguaruna, sambaquis (o maior do mundo fica em Jaguaruna, conhece?), turismo de aventura, turismo religioso no Vale do Braço do Norte e Treze de Maio. Cada cidade da Amurel tem seus atrativos únicos. Além disso, tem ainda algo que falta “lá no estrangeiro” e, arrisca-se a dizer, até em outras localidades brasileiras: a hospitalidade herdada dos colonizadores alemães, italianos e de tantas outras raças que tornam o sul um lugar único para o turismo.

Em tempos de crise, como muitos economistas gostam de colocar, aproveitar o quintal de casa para passear não poderia ser opção melhor. E é justamente neste momento que os próprios moradores da região começam a descobrir os encantos de tudo o que os cercam. Fazer turismo pela região é uma pedida que vem a calhar em um momento cujo controle financeiro é necessário.

A tragédia que assolou o norte do estado, mais desenvolvido quando o assunto é turismo, abriu as portas do sul catarinense. Em Laguna, por exemplo, o cancelamento de reservas ocorreu mais no início de dezembro. “Chegou a 30% de cancelamento no início do mês, depois as coisas mudaram. Inclusive, muitas pessoas que iriam para o litoral norte optam pelo sul, porque aqui não tivemos nenhum problema com as enchentes. Esperamos um incremento de 40% em relação a janeiro deste ano”, confirma o presidente da Associação dos Restaurantes, Hotéis, Bares e similares de Laguna, Peterson Crippa da Silva.

Balneários agilizam todos os preparativos para o Réveillon

Zahyra Mattar
Laguna

Quem escolher Laguna para passar a festa de Ano-Novo terá uma surpresa. Além do clima ajudar (a previsão é de tempo firme na próxima quarta-feira), o município prepara uma festa inesquecível para tornar esta virada literalmente uma virada de ano. A idéia é deixar as mazelas de 2008 para trás e começar 2009 com o pé direto.
No Mar Grosso, palco tradicional do Réveillon, equipes já trabalham a fim de deixar tudo perfeito para a contagem regressiva. As mais de 120 mil pessoas esperadas para a virada podem preparar as pernas, porque serão mais de seis horas de show ininterruptamente.

A festa começa às 21 horas com a banda Cavaquinho de Ouro; em seguida Fissura e depois PH7 com Juízo. O encerramento é previsto para as 3 horas. Para evitar tumultos entre pedestres e motoristas, a prefeitura disponibilizará ônibus, em frente ao calçadão. Os veículos sairão a cada 15 minutos do local.
A secretaria de saúde da prefeitura e o Corpo de Bombeiro estarão com veículos e profissionais para atender eventuais emergências. Na área de concentração, apenas os ambulantes cadastrados poderão trabalhar.

Ainda com relação ao trânsito, a avenida Senador Gallotti estará liberada. O tráfego de carros será fechado na avenida Beira-Mar, da rua Urussanga até as proximidades do Hotel Flat. E um aviso a quem pretende burlar a regra: um guincho ficará de plantão no local para retirar os veículos estacionados em locais irregulares.

Em Imbituba, a noite da virada será, mais uma vez, no canto da praia da Vila. A festa começará às 22 horas, com a banda Swing Moleque. À meia-noite, uma queima de fogos de artifício está prevista. Na sequência, a Bandativa assume o palco e fará a alegria das primeiras horas de 2009. A estrutura contará com banheiros químicos e bares. A segurança está garantida pela Polícia Militar, com o apoio do Corpo de Bombeiros.