Os moradores do bairro Campo D’água, em Sombrio, contarão em breve com uma passagem inferior para pedestres. A estrutura foi edificada abaixo das pistas da rodovia, em trecho já duplicado. Foto: Muriel Albonico/Esga-Dnit/Notisul
Os moradores do bairro Campo D’água, em Sombrio, contarão em breve com uma passagem inferior para pedestres. A estrutura foi edificada abaixo das pistas da rodovia, em trecho já duplicado. Foto: Muriel Albonico/Esga-Dnit/Notisul

Zahyra Mattar
Laguna

Quando se fala em duplicação da BR-101, as críticas são sempre maiores que os elogios. Todavia, quando vêm fundamentadas, até mesmo as críticas são salutares. É claro que houve atrasos enormes, que tudo já deveria estar pronto.
Mas, em termos gerais, hoje, o andamento dos trabalhos é satisfatório. E antes saber disso do que o contrário. O relatório produzido pelo Departamento nacional de Infraestrutura em Transporte, referente a janeiro, veio diferente.

Dos nove lotes de obras, quatro estão concluídos, três em fase de acabamento (pistas 100% duplicadas e liberadas ao tráfego) e dois ainda têm serviços de grande volume para ser executados.
No 25, entre Laguna e Capivari de Baixo, ainda restam 5,15 quilômetros de terraplanagem, 6,22 quilômetros de pavimentação e dois viadutos para serem iniciados. No momento, o consórcio Araguaia/Blokos/Emparsanco atua na confecção de quatro viadutos (o duplo de acesso a Capivari e três simples – dois em Laguna, KM 37 e Estiva, e um em Capivari, no Bandeirantes).

Também são abertas as novas pistas na comunidade de Bananal, em Laguna e feita a terraplanagem nas proximidades de obras-de-arte especiais. O outro lote ainda com grande volume de obras é o 29, entre Araranguá e Sombrio.
O consórcio Construcap/Modern/Ferreira Guedes atua na finalização do contorno de Araranguá, na confecção de três viadutos, pavimentação e terraplanagem de três trechos.
Em termos gerais, o ano começou com 204,30 quilômetros duplicados dos 238,5 licitados. Ou seja, restam 34,2 para que a duplicação da primeira fase das obras termine.