Dona Sueli Ilha, 82 anos, prefere poupar a primeira metade do décimo terceiro.  Ainda é tímido o aumento de gastos da categoria no comércio local, apontam os lojistas
Dona Sueli Ilha, 82 anos, prefere poupar a primeira metade do décimo terceiro. Ainda é tímido o aumento de gastos da categoria no comércio local, apontam os lojistas

Kalil de Oliveira
Tubarão

Com o pagamento da metade do 13° salário dos aposentados e pensionistas, o vice-presidente da associação da categoria em Tubarão, Francisco Nazário da Silva, fala em cautela. Segundo ele, nos últimos dez anos o poder de compra do aposentado caiu pela metade. “Como é que o aposentado vai gastar no comércio com esse salário que tem aí. Só está dando para o remédio”, lamenta. 

Esta visão, a partir de agora, é parte do desafio que o empresariado tenta mudar. Apostando na criatividade, o presidente da Associação Empresarial de Tubarão (Acit), Murilo Bortoluzzi, vê inclusive que as incertezas da economia diminuíram e os números levam para um reaquecimento. “Julho parou de piorar, mas ainda temos um longo caminho para retomarmos o PIB de dois anos atrás. Agosto se mostrou um pouco melhor que julho”, reconhece.

Na mesma linha, o vice-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Harrison Marcon, prefere o otimismo com as mudanças no país, e vê com bons olhos o próximo “Dia D”, neste sábado, quando as lojas atendem até as 17 horas. Uma série de atividades será realizada na área da saúde, lazer e serviços. Há ainda o Recicla CDL, com a coleta de lixo eletrônico ao lado da Casa da Cidadania. 

Para a aposentada Sueli Ilha, 82 anos, do Centro, por enquanto o dinheiro deve ficar parado. Será preciso um bom argumento para fazê-la gastar. “Hoje em dia tem que se cuidar. Por enquanto fica no banco”, revela. “O movimento maior de idosos ainda não chegou, mas é porque muitos não sacaram o benefício. Deixam para fazê-lo mais próximo do dia 10”, avalia a administradora de uma farmácia do Centro. 

Pesquisa revela crescimento no Dia dos Pais
A mais recente pesquisa divulgada pela Federação do Comércio (Fecomércio) e Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas revelou um crescimento de 2,8% nas vendas da última data comemorativa do varejo, o Dia dos Pais. Segundo a pesquisa, 5,3% dos empresários este ano contrataram funcionários temporários no período. Os consumidores informaram que a intenção das compras era presente em 71,3% das respostas. O segmento do vestuário, com 51,4%, foi o mais procurado, seguido por calçados (15,5%) e perfumes e cosméticos (12,5%).