Amanda Menger
Imarui

A rejeição das contas da prefeitura de Imaruí em 2000 são insanáveis para o Tribunal Regional Eleitoral (TER). Desta forma, o candidato a prefeito Pedro Roussenq (PMDB) está inelegível e não poderia concorrer. A juíza da 62ª zona eleitoral, Lílian Telles de Sá Vieira indeferiu o registro de candidatura por solicitação do Ministério Público Eleitoral (MPE).

O nome de Roussenq foi citado na lista do Tribunal de Contas do Estado (TCE) por ter contas rejeitadas em processos que não cabem mais recursos. O candidato solicitou o reexame das contas. “O TCE recomendou a rejeição das contas da prefeitura de 2000, mas eu pedi o reexame. Eles afirmam que eu não apliquei os 25% da educação e eu tenho levado documentos para provar que foram aplicados muito mais, cerca de 31%”, explica.

O recurso impetrado pelo candidato entrou na pauta de votação de segunda e terça-feira, porém, nos dois dias houve pedidos de adiamento. Ontem, até mesmo o relator Volnei Celso Tomazini mudou o voto. No primeiro dia, ele foi favorável ao candidato. A decisão dos juízes do TRE de indeferir a candidatura foi unânime.

A reportagem do Notisul procurou o candidato ontem, mas ele não foi localizado. Recentemente, ele disse que, caso o TRE mantivesse a decisão de primeira instância, ele iria recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Recurso de Tilico é adiado
O recurso do prefeito de Braço do Norte, Luiz Kuerten (PP), sobre propaganda eleitoral foi adiado mais uma vez. Na sessão de terça-feira, um dos juízes pediu vista. A prefeitura recebeu uma multa devido ao site institucional que não foi retirado do ar.

Já o candidato a vereador em Imbituba Vamilson Matias Daniel (PTB), teve a impugnação confirmada pelo TER. Ele não conseguiu comprovar a filiação partidária há mais de um ano. Vamilson pode apelar ao TSE. Os casos que ‘subirem’ deverão ser analisados até 25 de setembro.