O vereador peemedebista Geraldo Pereira, o Jarrão, participou de toda a sessão da câmara ontem. Ele faltou duas vezes este mês.
O vereador peemedebista Geraldo Pereira, o Jarrão, participou de toda a sessão da câmara ontem. Ele faltou duas vezes este mês.

Carolina Carradore
Tubarão

Há exatamente 11 dias a câmara de vereadores de Tubarão realiza um levantamento que detalha as diárias dispensadas a parlamentares e funcionários nos dois últimos anos. O documento deveria ter sido entregue ontem, conforme prazo estipulado pelo próprio presidente da casa, vereador João Batista de Andrade, o Sargento Batista (PSDB).

Deveria. Segundo informações do legislativo, o relatório ainda está emperrado no setor jurídico. A promessa agora é que o documento esteja pronto e nas mãos dos vereadores na próxima segunda-feira.

“Faltou alguns ajustes, necessários para facilitar o entendimento”, justifica Batista. O relatório, que detalha o roteiro de viagens e quem foram os parlamentares ou funcionários que solicitaram diárias, foi um pedido dos vereadores Deka May (PP), Dionísio Bressan (PP) e Edson Firmino (PDT), após as denúncias contra o colega Geraldo Pereira, o Jarrão (PMDB), e sua assessora, Cynara Guimarães Antunes, serem feitas pelo Fantástico, no dia 7 deste mês.

Jarrão e Cynara são acusados de fazerem turismo com o dinheiro público, em vez de participarem de um curso para vereador, no Recife. O presidente da câmara garantiu, mais uma vez, que não tornará o relatório das diárias público.

Segundo ele, a decisão foi tomada para não atrapalhar outras investigações paralelas, como a do Tribunal de Contas, do Ministério Público e da Polícia Civil. “Se algum vereador quiser entregar à impressa, tudo bem. Da minha mão não vai sair”, sublinha Batista.

Tribunal de Contas

Na semana passada, dois técnicos da Diretoria de Controle dos Municípios do Tribunal de Contas do Estado (TCE), estiveram em Tubarão e levaram documentos cedidos pela câmara de vereadores. O material servirá de subsídio para a instrução do processo aberto a fim de apurar as denúncias contra a assessora Cynara Guimarães Antunes e o vereador Geraldo Pereira, o Jarrão (PMDB).

Permanência

O vereador Geraldo Pereira, o Jarrão (PMDB), compareceu ontem na sessão na câmara de Tubarão. Ao contrário da última reunião, quando ele ficou apenas para a ordem do dia, o parlamentar ficou até o fim do encontro.

Jarrão tem duas faltas registradas esse mês, ambas na semana passada, quando as denúncia contra ele e sua assessora vieram à tona. Segundo o presidente da câmara, João Batista de Andrade (PSDB), o Sargento Batista, elas poderão serão descontadas da folha de pagamento do parlamentar caso não sejam justificadas.

A Comissão Especial de Inquérito (CEI) instaurada para apurar as denúncias espera ouvir Jarrão na próxima semana. Já o Ministério Público deve marcar hoje a data em que o vereador será ouvido pela promotora Maria Amélia Borges Moreira Abbad.

Há precedentes

Um grupo de vereadores de Agrolândia, no planalto serrano do estado, terá que devolver aos cofres públicos do município, valores referentes a despesas com diárias e inscrição feitas para o seminário sobre plano diretor, em Foz do Iguaçu (PR). Segundo o Tribunal de Contas do estado (TCE), o grupo teria realizado a viagem em 2006, mas foi o turismo.

Na época, imagens divulgadas no Jornal Nacional, da Rede Globo, mostraram os parlamentares fazendo compras no Paraguai durante o horário do curso. Na auditoria feita pelo TCE, ficou constatado o desvio de finalidade na aplicação de R$ 11.741,44 por parte de cinco vereadores e um servidor do legislativo.

Entenda o caso

O programa Fantástico mostrou, no dia 7 deste mês, uma gravação onde mostra o vereador de Tubarão Geraldo Pereira (PMDB), o Jarrão, na praia de Porto de Galinhas, ao lado da esposa, da filha e da assessora Cynara Guimarães Antunes. Ele e a funcionária deveriam participar de um curso parlamentar no Recife. Em conversa com o repórter Giovani Grizotti, disfarçado de assessor, Jarrão disse “eu não vim aqui fazer curso de vereador, eu vim passear”.

Só em diárias, ele e a assessora gastaram cerca de R$ 5 mil. Jarrão garante que participou do curso no período da tarde e que no horário em que foi flagrado na praia, segundo ele próximo das 11 horas, estava de folga. Procurada pelo Notisul, a assessora Cynara diz que não falará sobre o assunto.