Reneuza Borba lembra da luta pela duplicação do trecho sul da BR-101
Reneuza Borba lembra da luta pela duplicação do trecho sul da BR-101

Letícia Matos
Tubarão

A demora da duplicação da BR-101 sul, que contempla o trecho entre Palhoça e Osório (RS), atrasou o desenvolvimento da região, causou prejuízos, ceifou vidas e promoveu a união de vários segmentos pelo bem comum. Há mais de 20 anos, iniciaram as conversas sobre o projeto. Em 1993, as obras do trecho norte começaram. 

Entidades, instituições, imprensa e clubes de serviço abraçaram a causa e com o lema “Por amor à vida, duplicação já” desencadearam o movimento que hoje, mesmo não finalizada, chega perto com a inauguração da Ponte Anita Garibaldi, em Laguna, e a conclusão do Túnel do Morro do Formigão, em Tubarão. 

À frente desta batalha, três pessoas representaram o desejo de muitos.Na época, Reneuza Borba, presidente da Associação das Donas de Casa, dos Consumidores e da Cidadania (Adocon); Ronério Cardoso Manoel, presidente da Câmara de Vereadores de Tubarão, e Manoel Mota, deputado estadual. “Nós gritávamos, chorávamos, marchávamos, fechávamos a BR-101. Deitamos sobre o asfalto cantando o hino nacional. Tiramos o projeto da gaveta do ministro e hoje temos a BR-101 sendo construída”, lembra Reneuza. 

“Demorou, mas finalmente a ponte em Laguna será inaugurada. Comecei essa luta nos anos 90 ao fechar a BR-101 por inúmeras vezes e hoje fico feliz em ver meu sonho se tornar realidade com a liberação de mais um entrave na duplicação da rodovia”, destaca Mota. A primeira marcha pela duplicação percorreu 348 quilômetros em 24 dias, de 10 de março a 2 de abril de 2004, partindo de Osório (RS) com destino a Palhoça (SC). Uniram-se 24 Câmaras de Vereadores do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina que fazem parte do trecho sul da BR-101. O evento mobilizou a população em sinal de protesto em relação às vítimas da rodovia, trazendo a consciência pela necessidade da duplicação.  

Outros gargalos
A duplicação do trecho sul da BR-101 ganha um passo muito importante com a entrega da Ponte Anita Garibaldi, mas ainda não estará 100% concluída. Há outros gargalos que devem demorar mais tempo para a finalização. 
A nova ponte sobre o Rio Tubarão é um dos gargalos que não deve terminar. A obra prevista para ser entregue em dezembro deste ano teve um aditivo de prazo para fevereiro de 2016. 
Os túneis no Morro dos Cavalos, em Palhoça, são a única incógnita. A construção da estrutura, que seria a solução definitiva, anda a passos lentos. Diante de impasses indígenas e ambientais, o projeto estaria desde outubro do ano passado aguardando aprovação do Ministério dos Transportes para ser licitado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Não há um prazo para uma resposta do governo federal.

Impacto econômico
Além das filas, o atraso das obras de duplicação da BR-101 no sul do estado acarreta em prejuízos de até R$ 684 milhões para a economia da região. É o que mostra o estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que calculou as despesas adicionais com transporte e quanto o PIB estadual é impactado com o atraso da obra até 2016, quando a duplicação deve ser concluída. Para Ilana Ferreira, analista de políticas de indústria da CNI, um dos grandes vilões para o atraso da obra é a baixa qualidade dos projetos básicos. Para chegar ao valor do prejuízo em função do atraso, que deveria ter sido entregue até o fim de 2012, levaram-se em conta dois fatores: as despesas adicionais com transporte e o impacto sobre o PIB da região.

Histórico da obra
1993 – Início das obras de duplicação trecho norte
1995 – Começam as discussões sobre as obras no trecho sul
2002 – Anunciada a licitação das obras de duplicação trecho sul
2002/2003 – Conclusão do trecho norte
2005 – Início das obras da duplicação no sul. Obra orçada em U$S 800 milhões
2009 – Previsão contratual de conclusão das obras trecho sul
2012 – U$S 799 milhões investidos
2017 – Estimativa de conclusão das obras. Mais investimentos de U$S 534 milhões

* Principais datas da duplicação da BR-101, conforme estudo divulgado pela Unisul em 2012.

Parte da história
Foto:
Palácio do Planalto/Divulgação/Notisul

Entrega do documento com um milhão de assinaturas em prol da duplicação da BR-101 trecho sul, no Palácio da Alvorada, em Brasília, ao presidente Fernando Henrique Cardoso, em 2000. 1. Fernando Henrique Cardoso (presidente); 2. Elídio Bongiolo (presidente do Sindilojas em Tubarão); 3. Guido Búrigo (empresário); 4. Almir Massih (empresário); 5. Nelson Sirotsky (presidente do Grupo RBS); 6. Brunel Alves (prefeito de Capivari de Baixo).

Reivindicações

Para reivindicar o empenho do governo federal nas obras de duplicação da BR-101, a presidente da Adocon, Reneuza Borba, entregou algumas solicitações ao então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 9 de setembro de 2006. O presidente esteve na região visitando as obras.