Em São Martinho, cinco casas ficaram isoladas. Uma das moradoras está grávida
Em São Martinho, cinco casas ficaram isoladas. Uma das moradoras está grávida

 

Karen Novochadlo
Tubarão
 
Cerca de nove mil pessoas ficaram isoladas em algumas áreas de Tubarão por conta das chuvas de terça-feira. Quatro pontes entre a comunidade da Guarda  (margem esquerda) e a divisa com Gravatal foram avariadas (duas delas caíram). Vários bairros do município foram afetados, com deslizamento de terra e alagamentos. O prefeito Manoel Bertoncini deverá decretar estado de emergência hoje. 
 
A prioridade dos trabalhos municipais será a reconstrução dos acessos a algumas comunidades. “Em São Martinho, temos como exemplo cinco casas que ficaram isoladas, as pessoas têm que pular em cima de pedras para atravessar um córrego”, relatou o prefeito. A intenção é futuramente trocá-las por travessias de concreto. Hoje, a Defesa Civil apresentará um levantamento preliminar com os estragos causados. 
 
Posteriormente, serão requisitadas verbas nas esferas estadual e federal para a reconstrução de pontes e estradas, além de novas moradias para pessoas em situação de risco. De acordo com o coordenador da Defesa Civil municipal, José Luiz Tancredo, serão necessários R$ 1,5 milhão para recuperar as estradas e redes de drenagem danificadas. 
 
No bairro São Martinho, uma pedra chegou a deslizar de um morro e encostar em um pilar de uma casa, na comunidade de Caruru.  Em toda a cidade, mais de 80 ruas foram afetadas. Em alguns locais, a água entrou em casas e lojas. Cerca de 60 residências ficaram alagadas, metade na Guarda Margem Esquerda e as outras espalhadas pela cidade. Cerca de 60 famílias foram para a casa de vizinhos, amigos e familiares por estarem em áreas de risco, como encostas de morros.   
 
Hoje, será feito um levantamento das áreas de risco do município. 
 
Macrodrenagem
Nesta semana, a prefeitura de Tubarão recebeu a resposta da empresa terceirizada Prosul, responsável pelo projeto de macrodrenagem da margem esquerda, sobre as modificações requisitadas pela Caixa Econômica Federal. Contudo, o projeto não será reenviado para o órgão federal ainda. O secretário de planejamento Edvan Nunes solicitou novas modificações para acelerar a aprovação. Até abril, o projeto deve estar pronto. A obra somará R$ 4,9 milhões de recursos federais.
A prefeitura ainda negocia a liberação de R$ 14 milhões com o Ministério das Cidades para redragagem do rio Tubarão e dragagem da margem direita. O custo total da obra é R$ 42 milhões. 
 
Planejar é necessário para evitar tragédias
Para o próximo ano, o plano de contingência do município estará em pleno funcionamento. Será a base de várias ações de prevenção e ação da Defesa Civil no município. Várias fases já foram implantadas, como a criação do Conselho Municipal de Defesa Civil (Condec) e do Grupo de Emergência (Gruen). Neste ano, serão implantados dez núcleos em vários locais do município. 
Compostos por membros da comunidade e integrantes da Defesa Civil, fornecerão treinamentos constantes. “No Monte Castelo, por exemplo, faremos treinos de como agir em deslizamentos e no Andrino agir em inundações”, explica o coordenador da Defesa Civil José Luiz Tancredo.