Rafael Andrade
Tubarão

A construção do novo prédio do Presídio Regional de Tubarão, no bairro Bom Pastor, está bem avançada. Os dias de trabalhos perdidos por conta da chuva foram recuperados pela Construtora Bringhenti, responsável pela obra. O complexo carcerário tubaronense terá capacidade para 368 reclusos homens. Deste total de vagas, 120 são do semiaberto.

“Se der 60 dias de sol, entrego a obra pronta”, projeta o engenheiro responsável, Gregório Bringhenti. A fundação e o estaqueamento da cozinha devem ficar prontos esta semana. O prédio administrativo está em fase de acabamento. Recebe, no momento, a aplicação da cerâmica.

Nesta fase final da obra, a construtora fez um incremento na mão-de-obra. Ao todo, 30 profissionais, entre serventes, pedreiros, carpinteiros e mestre-de-obras, atuam diariamente no local. Eletricistas e encanadores devem se juntar ao grupo no próximo mês. O material hidráulico já está no local e as celas, de concreto de alta resistência, estão prontas para serem devidamente instaladas.

A construção da ala do semiaberto inicia ainda este mês. O local, bem menor do que o prédio principal, terá capacidade para abrigar 120 presidiários. O semiaberto é destinado a detentos que, em tese, trabalham durante o dia e pernoitam no presídio.

E as mulheres?
O atual prédio do Presídio Regional de Tubarão, no bairro Humaitá de Cima, está com quase 330 detentos. Deste Total, 40 são mulheres. Caso a nova unidade, no bairro Bom Pastor, ficasse pronta hoje, somente os homens (290 reclusos) seriam transferidos para o novo complexo carcerário. E as mulheres? A secretaria estadual de segurança pública ainda não tem a resposta. A intenção é mantê-las no atual prédio temporariamente.

A população, contudo, não aprova a ideia. O secretário do conselho comunitário do Humaitá de Cima, Clodoaldo de Medeiros, protolocou, este ano, vários ofícios onde solicita a retirada de todos os detentos, inclusive as mulheres, do atual prédio. “Deixei o documento na prefeitura, na câmara de vereadores, na secretaria estadual de segurança pública, no Departamento de Administração Prisional (Deap) e na secretaria de desenvolvimento regional em Tubarão. Queremos transformar o local em uma praça pública, já que naquela região não há nenhuma área de lazer”, reivindica Clodoaldo.

A superlotação da atual unidade gerou grandes conflitos este ano. Várias fugas, o espancamento de um preso – ele era ex-policial militar e morreu devido a gravidade dos ferimentos – , além de confusões administrativas como a troca de diretores, flagrante de agressões, troca de chefes de segurança e afastamento de agentes.

15 agentes devem ser contratos até o fim do ano para atuar no novo complexo carcerário de Tubarão. “Vai ser necessário incrementar o efetivo. Isto é fato”, decreta o secretário estadual de segurança pública, André Luiz Mendes da Silveira. Ele reitera que o reforço ocorrerá naturalmente em outras unidades prisionais de Santa Catarina. Laguna e Imbituba devem integrar a lista de unidades a receberem reforço.