Tubarão

As cerca das 30 trabalhadoras de uma confecção de jeans de Capivari de Baixo entrarão na justiça hoje. Ao chegarem para trabalhar, quinta-feira passada, às 7h30min, elas encontraram a fábrica fechada e todas as máquinas tinham sido levadas, inclusive os dois equipamentos que pertenciam à locatária da sala. Ontem, o empresário entrou em contato com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria do Vestuário de Tubarão e Região (Sintraves), para fazer um acordo.

“Ele disse que levou as máquinas porque tinha recebido ameaças de que outras pessoas pegariam os equipamentos. Ele tem intenção de fazer um acordo e pagar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e o INSS que foi descontado das trabalhadoras e não foi depositado, assim como os outros direitos trabalhistas”, relata o presidente do Sintraves, Carlos Zamparetti. O empresário ficou de repassar o local onde estão as máquinas e o não o fez. Os equipamentos poderão ser penhorados.

“Desde o início, a confecção apresentou problemas. Era o salário que atrasava, horas-extras que eram pagas pela metade, o FGTS e o INSS que não foram depositados e agora tudo desaparece, da noite para o dia”, conta a costureira Glaucemere da Silva.
Algumas das trabalhadoras já conseguiram outros empregos. “Uma empresa de Tubarão quer contratá-las a partir do dia 2 de janeiro. Os contatos serão intermediados pelo sindicato”, conta Zamparetti, sem relevar o nome da empresa.