O grupo também projeta a realização de um mesa redonda com a participação do prefeito de Laguna, Célio Antônio (PT), o presidente da Casan, Dalírio Beber, e a diretoria do Conselho Comunitário do Farol, a fim de tirar a proposta do papel.
O grupo também projeta a realização de um mesa redonda com a participação do prefeito de Laguna, Célio Antônio (PT), o presidente da Casan, Dalírio Beber, e a diretoria do Conselho Comunitário do Farol, a fim de tirar a proposta do papel.

Laguna

A questão do saneamento básico na comunidade pesqueira do Farol de Santa Marta, em Laguna, veio para ficar. Apesar da chuva de ontem, os moradores novamente reuniram-se para bater um bolão em prol da canalização e tratamento do esgoto doméstico, que hoje verte nas areias da Prainha.

A exemplo do que foi feito entre os últimos dias 12 e 13, quando ocorreu paralelamente ao protesto o 1º Campeonato de Futebol Feminino do Farol de Santa Marta, novamente o esporte serviu de pano de fundo para a passeata.

Desta vez, jovens de 17 a 25 anos reuniram-se para pedir apoio das autoridades  quanto a solução do problema. Aproximadamente 100 pessoas, entre moradores e turistas, participaram do evento. Antes do apito inicial, todos uniram-se nas areias da Prainha e formaram uma espécie de cordão humano.

O ato simbólico serviu para clamar por socorro. Cartazes e faixas também foram erguidos. Atualmente, são sete focos de esgoto a céu aberto em uma extensão que não chega a 300 metros.

Os córregos pluviais são usados para despejar o esgoto “in natura” na Prainha desde o início da década de 80. O pedido para a construção de um sistema de coleta e tratamento é reivindicado há muitos anos pelos moradores da pequena comunidade pesqueira.

Um terceiro manifesto deste tipo é alinhavado para o próximo mês, quando os pescadores entrarão em campo, ou melhor, na areia, para bater uma bola pelo saneamento.