Amanda Menger e
Zahyra Mattar

Tubarão

Assim como é previsto ocorrer no PSDB neste fim de semana, é bem possível que os outros partidos da coligação que forma o alto escalão da prefeitura de Tubarão – PTB, PPS, PDT, PP – também se reúnam para definir quem será ou não demitido. O corte de pessoal agendado para o dia 30 do próximo mês, e antecipado ontem pelo Notisul, atingirá apenas os 241 ocupantes de cargos comissionados.

O percentual será o mesmo e proporcional para cada sigla. O prefeito Manoel Bertoncini (PSDB) queria efetuar as dispensas no dia 30 deste mês, mas os presidentes dos partidos coligados pediram mais prazo. A ideia inicial era demitir todos os 241 comissionados.

Agora, já se sabe que serão 70%. Isto implica na demissão de 169 pessoas. “É difícil falar em números, porque há cotas que são do prefeito, independente do partido. Mas já está definido que os cortes ocorrerão proporcionalmente para cada sigla”, confirma o presidente do PSDB, Toni Bitencourt.

Com isso, estima Toni, o quadro de pessoal e financeiro do município mudará bastante no próximo ano, inclusive porque a carga horária da prefeitura também será alterado (passará a atuar oito horas por dia, em dois períodos – hoje são seis horas, das 7 às 13 horas).

“É uma questão de ajuste e não é apenas (uma questão) financeira. É preciso administrar com profissionalismo. Quem não estiver compromissado vai e não volta. Aqueles que, por ventura, voltarem, sabem que serão cobrados”, avisa Toni.

Conforme adiantou o assessor especial do prefeito e presidente do PDT, Ronério Cardoso, o salário e o 13º dos trabalhadores – tanto os comissionados, até o fim do ano, e efetivos – está garantido.