Zahyra Mattar
Tubarão

Desde ontem, praticamente todos os hemocentros e unidades de coleta do estado estão mobilizados na campanha de doação de sangue para o Carnaval. O período sempre é motivo de preocupação para as autoridades de saúde e as campanhas de coleta tornaram-se quase que pontuais nesta época do ano.

O esforço é para garantir a disponibilidade de sangue e outros componentes ao hospitais catarinenses. A maior necessidade são as plaquetas, a ‘parte’ do sangue que tem menor vida: aproximadamente cinco dias. É um dos componentes mais receitados nas emergências. Um único paciente, dependendo da gravidade dos ferimentos, pode chegar a utilizar quase todo o estoque.

Em Tubarão, este ano, a unidade do Hemosc não participará da campanha estadual de doação. O motivo é a falta de médico para que a unidade abra as portas durante toda a semana. Assim, o expediente será o de uma semana normal. O médico, na verdade, existe, mas é contratado somente para atender às terças e quartas-feiras.

A notícia foi recebida, ontem, com frustração pela equipe da unidade. “É uma lei. É preciso ter o médico. Precisamos compreender isso. De qualquer forma, fica a convocação do nosso eterno voluntário para colaborar nestes dois dias de coleta. Na próxima semana, como é feriado, abriremos na quinta e sexta-feira para compensar”, informa a enfermeira responsável pela unidade, Luzia Porto Mapelli.

Somente a título de conhecimento: o Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), o mais conceituado no sul e o maior do estado em número de leitos, consome mais de 400 bolsas de sangue por mês. Em fevereiro, o número aumenta consideravelmente devido ao Carnaval.