Amanda Menger
Tubarão

A desoneração do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da carne suína será mantida pelo governo do estado. O anúncio foi feito quinta-feira e deverá refletir nas compras de fim de ano. Além do comércio, que lucra com os presentes do Bom Velhinho, os supermercadistas acreditam em um aumento médio de faturamento bruto de até 4,5% em relação a 2008 e de até 30% com relação aos demais meses do ano.

A redução da alíquota começou em setembro e o estado resolveu estendê-la por mais 90 dias. Com isso, o preço final ao consumidor está de 7% a 10% a menos do que no ano passado. “A carne suína já tem uma boa saída neste mês por causa da ceia de Ano-Novo, mas acreditamos que muitas pessoas compraram mais quilos para fazer em outros eventos e até para o dia-a-dia. Além do Natal e do Ano-Novo propriamente ditos, o clima é de comemoração, tem os encerramentos de escolas, de faculdades, de associações e dos escritórios. Tudo isso gira o setor”, observa o presidente da Associação Catarinense de Supermercadistas (Acats), Adriano Santos.

Além dos suínos, outra ‘vedete’ da época é a ave, principalmente os cortes de festa, como o chester e o peru. Estas iguarias mantiveram os mesmos preços do ano passado. A expectativa é de aumento no consumo. As grandes redes também apostam na venda dos produtos associados à época, como as cestas de Natal, os panetones, frisantes, espumantes, champanhes e também refrigerantes e cervejas. “Nossa expectativa é muito boa. Com a recuperação da economia e os incentivos dados pelo governo em várias área. Acreditamos que este fim de ano será um dos melhores nos últimos tempos”, avalia o sub-gerente de supermercado Aladim Rocha de Jesus.