Zahyra Mattar
Capivari de Baixo

Um batalhão formado por 17 pessoas promoveu uma verdadeira guerra contra o mosquito da dengue, ontem, em Capivari de Baixo. Um foco do mosquito foi encontrado em uma empresa no bairro Alvorada. Larvas do que poderiam ser o transmissor da doença, o Aedes aegypti, foram localizadas dentro de um dos pontos estratégicos. No início da semana, durante o trabalho de campo rotineiro, dez larvas foram encontradas.

Com a constatação de que se tratava de larvas do Aedes albopictus, um primo do aegypti, este sim transmissor da dengue, fez com que município, e coordenadoria do programa estadual de combate à dengue da 20ª gerência de saúde, arregaçassem as mangas. Um raio de 300 metros a partir do ponto onde as larvas foram encontradas foi vistoriado: 162 casas (em outras três, houve recusa dos proprietários em deixar as equipes entrarem), 28 estabelecimentos comerciais e 14 terrenos baldios.

Pela manhã, sete amostras foram colhidas e analisadas. Do total de larvas, 50 eram de mosquitos comuns e outras sete de abopictus. Outras amostras foram coletadas e serão analisadas hoje, quando um novo relatório deverá ser emitido. “Seja ou não larva do Aedes aegypti, faremos o trabalho de revista constante do foco. Santa Catarina ainda é o único estado sem a doença e precisamos nos unir para continuar assim”, pontua a coordenadora regional do programa de combate e prevenção à dengue, Cláudia Ochs.

Nos imóveis visitados ontem, todos os possíveis criadouros do mosquito foram eliminados. “Além de distribuirmos 400 folderes à população, tratamos a água de piscinas, caixas d’água, ralos e vasos sanitários fora de uso”, detalha Cláudia. Em Capivari de Baixo, hoje existem 32 armadilhas (visitadas semanalmente) e outros 14 pontos estratégicos (vistoriados a cada 15 dias).