Amanda Menger
Tubarão

Depois de dois testes com câmeras de segurança cedidas por empresas especializadas em monitoramento, a prefeitura de Tubarão poderá ter o seu próprio sistema. Por enquanto, não há previsão de quando isso se concretizará, mas uma parte importante do sistema, o cabeamento de fibra óptica deve começar em breve.

“O segundo teste feito no ano passado mostrou que a transmissão das imagens via rádio e internet é bom, mas apresenta problemas. Há queda na qualidade das imagens e há um pequeno atraso. Com o cabeamento de fibra óptica a transmissão será em tempo real”, explica o secretário de segurança e trânsito da prefeitura João Batista de Andrade, o sargento Batista.

Para fazer o cabeamento é preciso uma liberação da Celesc para a utilização dos postes de energia. “Esta parte já está certa. Em mais umas duas semanas, acreditamos que tenhamos novidades sobre esta parte estrutural. Os cabos ligarão alguns pontos no centro da cidade com a central montada na secretaria de segurança e trânsito da prefeitura, já que as imagens serão monitoradas pela Guarda Municipal (GM)”, relata o sargento Batista.

A segunda parte do projeto envolve a compra do material. “Este é que deve demorar ainda mais alguns meses. Estamos ainda estudando qual o melhor equipamento, fazendo alguns orçamentos para repassarmos isso ao prefeito, Manoel Bertoncini (PSDB). Depois disso é que ele poderá autorizar a realização da licitação para compra das câmeras”, adianta o secretário.

Entre os pontos que poderão receber as câmeras está a rua Lauro Müller, o calçadão da São Manoel e o paço municipal. “Além disso, acreditamos que seja possível fazer uma parceria com algumas empresas. Por exemplo, o shopping pode colocar uma câmera no exterior e as imagens poderão ser acompanhadas pela GM. No futuro, dependendo do projeto do governo do estado, as imagens poderão ser compartilhadas com a Polícia Militar também”, sugere o secretário.

Projeto estadual
• A discussão para a instalação de um sistema de monitoramento em Tubarão arrasta-se desde abril de 2006, quando o projeto de instalação de 36 câmeras foi apresentado no Conselho de Desenvolvimento Regional (CDR). Esta é a apenas uma parte da proposta de criação de uma central de atendimento, que concentrará as chamadas recebidas pelos números de emergência (190 – Polícia Militar, 192 – Samu e 193 – Corpo de Bombeiros).

• Pelo projeto inicial, o monitoramento seria feito pela PM, 24 horas por dia, em pontos centrais de Tubarão, além dos acessos ao município. A proposta de implantação da central de emergências e das câmeras de vigilância era orçada, em 2006, em R$ 2,4 milhões. A sugestão era que 71% do valor fosse do estado e os outros 29% da prefeitura de Tubarão.

• Com a queda na arrecadação, o secretário estadual de segurança pública e defesa do cidadão Ronaldo Benedet diz que é impossível concretizar o projeto de monitoramento este ano. Em visita a Tubarão na última terça-feira, ele garantiu que a cidade ainda receberá investimentos para o monitoramento.