Carolina Carradore
Tubarão

O projeto Ficha Limpa, famoso no Brasil por proibir que políticos condenados pela justiça participem de eleições, começa a ganhar simpatizantes em todas as regiões, inclusive na de Tubarão. A câmara de Capivari de Baixo foi a primeira a lançar mão do recurso. Braço do Norte analisa. Tubarão também.

Na Cidade Azul, devido o clima nublado no legislativo serviu de incentivo para um projeto com o mesmo teor ser sugerido. A intenção de lei foi protocolada nesta sexta-feira pelo presidente da casa, João Batista de Andrade, o Sargento Batista (PSDB). A matéria irá para votação na sessão da próxima segunda-feira. “Isso vale para vereadores e funcionários da casa. Se o poder executivo aceitar a ideia, também poderá implantar na prefeitura”, sugestiona o presidente.

Batista usou como exemplo o mesmo projeto de lei proposto pelo deputado estaduakl César Souza Júnior (DEM), aprovado no mês passado. O parlamentar quer estender para todos os cargos em comissão no estado as mesmas restrições do projeto ficha limpa já em vigor nestas eleições.
Estariam impedidos de serem nomeados para cargos de confiança os condenados por lesar o patrimônio público por órgão colegiado, por exemplo.

Caso Jarrão

O Ministério Público Estadual em Tubarão está de olho em possíveis irregularidades praticadas na câmara de vereadores. A promotora da defesa da moralidade administrativa, Maria Amélia Borges Moreira Abbad, pediu à casa legislativa documentos dos últimos cinco anos. A papelada é referente a gastos com diárias feitos por servidores e vereadores.

A decisão do MP é reflexo das denúncia que recaem sobre o vereador Geraldo Pereira, o Jarrão (PMDB). Ele e sua assessora, Cynara Guimarães Antunes, foram flagrados fazendo turismo em uma praia, no momento em que deveriam estar em uma curso.

Na segunda-feira, a Comissão Especial de Inquérito (CEI) instaurada na câmara para apurar as denúncias contra Jarrão, realizam a primeira reunião para analisar alguns documentos. “Ainda esperamos a chegada de outros papéis e a gravação da matéria exibida pelo Fantástico”, antecipa o presidente da CEI, vereador Edson Firmino (PDT).

Jarrão não compareceu nas duas sessões realizadas essa semana na câmara. Em entrevista ao Notisul, garantiu que não tem intenção de licenciar-se do legislativo. O vereador alega inocência. A assessora Cynara foi procurada pelo Notisul, mas limitou-se a dizer que não tem nada para declarar sobre o assunto.