Zahyra Mattar
Tubarão

O comando das secretarias de desenvolvimento regionais em Santa Catarina gera uma série de ‘desavenças’ políticas. Na região, a disputa pelos cargos ocorre dentro dos próprios partidos e entre as siglas. E toda esta briga vai durar pelo menos até o próximo dia 15. A data foi anunciada ontem pelo governo do estado como a mais provável ao anúncio de quem assumirá as regionais.

Por aqui, a maior disputa é dentro do PSDB. Em Tubarão, o prefeito Manoel Bertoncini defende a indicação de Carlos Stüpp ou a permanência de Haroldo Silva, o Dura, na regional na Cidade Azul. Em Imbituba, o também prefeito tucano, José Roberto Martins, quer o vereador Dorlin Nunes na regional em Laguna.
A revolta do prefeito tubaronense é que até a semana passada ele tinha o privilégio da escolha. Mas Jairo Cascaes (DEM) ressurgiu em cena. Ele ocuparia a vaga de Caio Tokarski (PMDB) na câmara (daí a brecha na SDR aos tucanos).

Como isso é uma incógnita – teoricamente, somente suplentes peemedebistas poderiam ocupar a vaga de Tokarski, que está licenciado -, Cascaes segue em ‘campanha’ e Beto pediu o posto em Laguna. Com isso, ficaria, ainda para os tucanos, a vaga em Braço do Norte, que antes seria, supostamente, de um democrata.
Bertoncini, inclusive, ameaça deixar a sigla caso os tucanos percam a SDR em Tubarão. “Respeito a opinião do prefeito Beto. Mas o partido precisa levar em consideração que Tubarão é segundo maior município no estado em número de afiliados tucanos”, pontua.
A saída dele da sigla poderia gerar um revés no ninho tucano. Bertoncini tem fiéis seguidores. Seja como for, a decisão depende do diretório estadual e, neste campo, ganha quem tem mais influência.