Zahyra Mattar
Tubarão

A Federação Nacional de Bancos (Fenaban) e os representantes do Comando Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) chegaram a um possível acordo para encerrar a greve dos bancários, iniciada no dia 27 de setembro em todo o país. A Fenaban apresentou proposta de 9% de reajuste sobre salários (retroativo a 1º de setembro) e 12% de aumento no piso da categoria (passa dos atuais R$ 1.250,00 para R$ 1,4 mil).

“É um resultado positivo. Até porque o principal entrave era em relação ao reajuste. Agora, teremos 1,5% de aumento real. Mas o fim da greve será definido mesmo somente na próxima semana, nas assembleias regionais”, atenta o presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Tubarão e Região (SEEBTR), Armando Machado Filho.

O índice da Fenaban diz respeito à iniciativa privada. Contudo, é a partir deste percentual que o setor público (Caixa Econômica Federal e Branco do Brasil) elabora as suas propostas. Até o fechamento desta página, às 22h30min, a reunião entre banqueiros e funcionários não havia terminado.

Isto porque ainda havia a necessidade de entrar em acordo com outro ponto: o desconto dos dias parados. A Fenaban defende a redução da folha. Os sindicalistas querem a compensação do período da greve com hora extra.
“A definição deste ponto é fundamental para a decisão para a volta ao trabalho ou a continuidade do movimento”, valoriza Armando. Na base sindical em Tubarão, a assembleia ocorre na próxima segunda-feira, às 9 horas. Caso decidam pela volta ao trabalho, é possível que isso ocorra já no período da tarde.