As aduelas foram levantadas por um guindaste e colocadas às margens do Rio Tubarão. Juntas, elas formam os tubos que levarão a água da chuva para o manancial. Cada uma destas aduelas pesam em torno de cinco toneladas.
As aduelas foram levantadas por um guindaste e colocadas às margens do Rio Tubarão. Juntas, elas formam os tubos que levarão a água da chuva para o manancial. Cada uma destas aduelas pesam em torno de cinco toneladas.

Angelica Brunatto
Tubarão

As dez primeiras aduelas que formarão o duto de condução das águas das chuvas para o Rio Tubarão, começaram a ser implantadas ontem à tarde na avenida José Acácio Moreira (beira rio da Unisul).
Hoje, o trabalho será aterrar a área às margens do rio, em frente da secretaria de desenvolvimento regional. No local, foi perfurada uma vala de sete metros de profundidade, onde agora é instalada a tubulação.

“Também vamos trabalhar para colocar as comportas, para que a água do rio, quando enche, não entre nas aduelas e cause o efeito reverso”, detalha o engenheiro Ronaldo Gomes Silveira, da Coenco, que assina a execução do projeto da microdrenagem da margem esquerda.

Com esta etapa pronta, o próximo passo é iniciar a escavação em mais dez metros da rua Luiz Pedro de Oliveira (lateral da SDR), também com sete metros de profundidade. A previsão, se o tempo colaborar, é que os trabalhos nos dois pontos termine até o dia 30 do próximo mês. Com isso o trânsito neste trecho será liberado.

A pista da beira rio está trancada há um mês. O investimento é de R$ 3.933.318,69. Deste total, a maior parte é do governo federal. A prefeitura também participa financeiramente, com pouco mais de R$ 1 milhão.
A obra da microdrenagem é uma das maiores com o intuito de prevenir enchentes e grandes alagamentos em toda a região dos bairros Humaitá, Dehon, Morrotes, Vila Elisa e Centro. Cerca de 28 mil pessoas serão beneficiadas. A execução do projeto é aguardada desde 2009.

O projeto

Além da microdrenagem, o projeto envolve a construção de galerias e a implantação de caixas de ligação e passagem d’água. Ainda serão construídas três estações elevatórias. Duas na avenida Padre Geraldo Spettmann (da rodoviária) – uma na esquina com a avenida Getúlio Vargas (beira-rio – cabeceira da ponte Nereu Ramos) e outra no fim da avenida, próximo à BR-101.
A terceira fica na comunidade do Pantanal. Esta obra beneficiará cerca de oito mil famílias. O investimento deverá ser de quase R$ 500 mil, cuja origem também é um convênio entre a prefeitura, que dará uma contrapartida, e o governo federal.